Investigador diz que há esquema de propina na Polícia Civil

SÃO PAULO - Arrecadação de dinheiro da máfia dos bingos e caça-níqueis, pagamentos de propina para anular a expulsão de policiais corruptos e a existência de um mercado de venda de cargos importantes da Polícia Civil. Essas são algumas das acusações da longa lista de denúncias feitas pelo investigador Augusto Pena em seu depoimento ao Ministério Público Estadual (MPE), ao qual o jornal O Estado de S.Paulo teve acesso.

Agência Estado |

Ela incluía ainda a venda de carteiras de motoristas, achaques a criminosos e empresários, o uso de viaturas em segurança privada e até a apropriação de dinheiro da gasolina da polícia.

Segundo Pena, havia 200 inquéritos na delegacia sobre bingos e caça-níqueis. Dependendo do tamanho da casa de jogo, a propina era de R$ 20 mil a R$ 200 mil mensais, sempre em dinheiro.

O suposto mensalão da polícia era cobrado para que os inquéritos não fossem adiante. Uma parte ficava com seus chefes. Outra seria levada por Pena a Malheiros Neto. Pelo serviço, Pena recebia R$ 4 mil por mês.

Pivô do maior escândalo de corrupção policial da atual gestão da Segurança Pública, Pena fez um acordo de delação premiada. O homem que se diz amigo do ex-secretário adjunto da pasta Lauro Malheiros Neto, a quem ele acusa de montar um esquema de corrupção, afirma que os policiais corruptos continuam recebendo propina mesmo depois de presos.

Por causa das acusações, o diretor da Corregedoria da Polícia Civil, Alberto Angerami, pediu a transferência de Pena do presídio da Polícia Civil para o Presídio do Tremembé - o que ocorreu na sexta-feira. Se continuasse entre seus pares, Pena podia ser morto.

Ameaças

O depoimento de Pena começa com a descrição das supostas ameaças que o policial teria recebido. Pena disse que estava no presídio quando foi procurado por um delegado da região de Mogi das Cruzes com quem esteve preso.

O delegado teria dito que era melhor o investigador não fazer a delação e teria afirmado que era uma pessoa muito influente e tinha acesso às entradas e saídas do declarante do presídio. O delegado ainda perguntou quanto Pena queria ganhar para não delatar.

Chefe do investigador Augusto Pena no Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic), o delegado Fábio Pinheiro Lopes nega que tenha montado um esquema de arrecadação de propina, conforme acusações feitas pelo ex-subordinado ao Ministério Público Estadual (MPE). Segundo o delegado, Pena se tornou seu desafeto após ter sido removido da 3ª Delegacia de Investigações Gerais (DIG) do Deic.

Na época, o investigador era alvo de um inquérito por furto de uma carga de Playstation apreendida pela DIG. Ele se recusava a depor e mandamos uma série de ofícios pela nossa intranet, conta Lopes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

Leia mais sobre: Polícia Civil

    Leia tudo sobre: corrupçãopolicia civil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG