Investigações sobre assassinatos em série irão começar do ¿zero¿, diz delegado

SÃO PAULO - Um assassino em série tem aterrorizado os frequentadores do Parque Paturis, em Carapicuíba, na Grande São Paulo. Segundo a polícia, 13 homossexuais já foram executados entre fevereiro do ano passado e agosto deste ano. Nesta segunda-feira, o delegado responsável pelo caso, Paulo Fernando Fortunato, informou que as investigações irão começar do ¿zero¿.

Redação com Agência Estado |

Acordo Ortográfico No começo do mês, o retrato falado de um suspeito foi feito, mas não será divulgado para não atrapalhar as investigações.

Investigadores à paisana também passaram a circular pelo parque de madrugada na tentativa de flagrar o criminoso, que ataca após a meia-noite, quando os gays começam a chegar ao local. O matador é chamado de "maníaco do arco-íris" -alusão à bandeira colorida da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

De acordo com a polícia, a hipótese dos crimes terem sido cometidos pela mesma pessoa foi levantada há quatro meses, quando delegado Paulo Fernando Fortunato passou a ser responsável pela polícia da área. 

Vamos ouvir novamente todas as famílias das vítimas que eram homossexuais. Ainda pedi uma perícia nos projéteis para saber se saíram da mesma arma, disse Fortunato. O delegado está convencido de que se trata de um serial killer com ódio de homossexuais e disposto a limpar o parque. As informações são do "Jornal da Tarde".

Leia mais sobre: assassinatos

    Leia tudo sobre: assassinadoassassinato

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG