Interesse pelo ProUni cai 30%, indica balanço

O ProUni (Programa Universidade para Todos), uma das vitrines educacionais do governo federal, tem atraído cada vez menos estudantes no País. No processo seletivo de 2009, foram 608.

Agência Estado |

143 inscritos para concorrer às bolsas de estudo em universidades particulares, queda de 28,9% em relação ao mesmo período de 2008, quando foram 855.734 candidatos. Além da redução, o programa amargou sobra de 7.484 bolsas.

Das 156.416 oportunidades oferecidas, foram pré-selecionados 148.932 alunos, levando em conta apenas a pontuação mínima para ser escolhido - 45 pontos na escala de 0 a 100 da prova do Enem. Como ainda serão avaliados outros critérios para a inclusão, exemplo renda familiar, o número de sobras pode aumentar. No primeiro semestre de 2008, o balanço final mostra que ficaram sem utilização 28,3% das bolsas - das 106 mil oferecidas só 76 mil foram usadas. Em São Paulo, a ociosidade foi ainda maior : 30% das 40 mil bolsas fornecidas.

O Ministério da Educação (MEC), por meio da assessoria de imprensa, informou que a sobra de bolsas na 1ª fase do ProUni de 2009 é uma das menores da história (7.484 ). Ainda segundo o MEC, “1.533 são bolsas adicionais, sem impacto sob a isenção fiscal do programa”. Ficaram sem uso 1.002 bolsas integrais. O argumento da pasta é que em 2008 houve “um boom de inscrições”, não mantido. Para a sobra de vagas, a pasta diz que a maioria é de bolsas parciais e nem sempre o candidato tem condições.

Já Angela Soligo, diretora da faculdade de educação da Unicamp, tem avaliação diferente. “O índice pode indicar que o jovem está adquirindo consciência de que nem todos cursos do ProUni são bons e que o diploma talvez não faça diferença para sua vida profissional” - cruzamento feito pelo Jornal da Tarde mostra que 23% dos cursos tiveram nota 1 e 2 - de baixa ou baixíssima qualidade. As informações são do Jornal da Tarde .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG