Integrante de milícia preso no litoral de São Paulo chega ao Rio

RIO DE JANEIRO ¿ O suspeito Leandro Paixão Viegas, o ¿Leandrinho quebra-ossos¿, de 29 anos, preso no último dia 21, em São Vicente, litoral de São Paulo, chegou hoje ao Rio. Ele é tido como o principal matador da milícia ¿Liga da Justiça¿, apontada como responsável pela chacina que deixou sete pessoas mortas na Favela do Barbante, em Campo Grande, zona Oeste da cidade.

Redação |

  • Poder Público foi "sócio" das milícias no Rio, avalia presidente de CPI
  • Tiro no rosto identifica crimes cometidos por milícias
  • Leandro foi trazido ao Rio por agentes da DRACO e está detido na carceragem da delegacia especializada. Ele será transferido para uma penitenciária, que ainda não foi definida.

    A polícia tem informações de que o suspeito fazia tráfico de armas de São Paulo para o Rio para abastecer a milícia. Leandro será submetido a reconhecimento no caso do roubo de armas da 48ª DP (Seropédica), na Baixada Fluminense.

    Prisão

    Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, Leandro foi encontrado em uma pousada no centro de São Vicente. Os agentes haviam recebido uma informação de que um foragido da polícia do Rio estava na cidade. Os policiais chegaram ao hotel graças a uma denúncia anônima.

    Leandro foi preso em um dos quartos do hotel acompanhado de sua esposa. Foram apreendidos um Toyota Corolla blindado, uma identidade e uma carteira de habilitação falsa com a foto do suspeito. Ele declarou que pagou R$ 500 reais para obter os documentos.

    O foragido disse tinha fugido de seu apartamento na cidade depois que sua foto foi divulgada na TV. Na casa do suspeito, a polícia apreendeu um notebook e celulares. Leandro foi indiciado por uso de documentação falsa e levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Vicente.

    De acordo com o titular da 35ª DP (Campo Grande), Marcus Neves, o suspeito estaria fora do Rio há cerca de quatro meses. O delegado disse ainda que a prisão de Leandro foi um duro golpe para a milícia Liga da Justiça, já que ele era um dos homens fortes do grupo.

    Veja também:

    Leia mais sobre: milícias no Rio

      Leia tudo sobre: milíciamilíciasrioviolência

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG