choque social no Semi-Árido - Brasil - iG" /

Instituto lança plano para choque social no Semi-Árido

O plano diretor do Instituto Nacional do Semi-Árido (Insa), ligado ao Ministério da Ciência & Tecnologia (MCT), foi lançado hoje, no Recife, quase quatro anos depois da criação do órgão. O Insa, que pretende ser um articulador de todos os órgãos de pesquisas, universidades e profissionais envolvidos no desenvolvimento sustentável da região, quer ser indutor de um choque social local e espera, em oito anos, estar consolidado como referência nacional e internacional de centro de saber na área do Semi-Árido.

Agência Estado |

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, afirmou que o primeiro desafio para o sucesso do Insa é a definição do campo de pesquisa - em áreas novas, ainda não investidas, a exemplo de biotecnologia avançada, e que possam mostrar ao pequeno agricultor do Semi-Árido novas frentes de produção de forma sustentável, sem desmate da vegetação. O desafio maior, segundo Rezende, é o de atrair e entusiasmar pesquisadores com experiência, boa formação, capacidade de mobilização e dispostos a abraçar a causa do Semi-Árido. De preferência, na faixa intermediária da meia-idade - "nem o jovem doutor em início de carreira, nem o aposentado sem muito gás".

Dentro de 60 dias, o MCT lançará o edital de inscrição para o concurso. Ele não soube dizer o número de vagas que caberá ao Insa do total de 335 a serem abertas. Na mesma linha, o diretor do Insa, Roberto Germano Costa, afirmou que a ação mais urgente é a identificação de programas de pós-graduação para serem oferecidos pelo ministério, dentro da constituição de uma grande rede voltada para o desenvolvimento sustentável da região. Costa lembrou que o plano diretor foi fruto de sete meses de trabalho e elaborado depois de ampla consulta a 65 instituições e 1,65 mil técnicos e pesquisadores ligados ao setor agropecuário que têm em comum a preocupação com o desenvolvimento regional.

O Semi-Árido brasileiro tem quase 900 mil metros quadrados de área - oito Estados do Nordeste e parte de Minas Gerais e do Espírito Santo - e uma população de quase 30 milhões de habitantes. É uma região com os maiores graus de pobreza e alvo de grande devastação da caatinga. O diretor do Insa segue a filosofia do economista Celso Furtado, preferindo reforçar as vantagens e potencialidades da área, ao invés das desvantagens. Costa prega a "desconstrução" dos estereótipos da miséria e também o da pujança (idealizada pela agricultura irrigada possível apenas numa pequena parte do Semi-Árido). No discurso, ele observou que o Insa pode ser um fórum de discussões que dizem respeito à região, e também de ações voltadas a arranjos produtivos locais - dentro do programa Territórios de Cidadania -, alinhados com o plano de ação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG