A equipe de Tecnologia da Informação (TI) do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira desenvolveu a integração do sistema wireless a um equipamento de ultra-sonografia portátil. A idéia foi dispensar o cabo para enviar imagens dos exames para o banco de dados da entidade, atendendo os pacientes graves no leito.

Segundo o engenheiro Vilson Cobello, um dos responsáveis pela adaptação, a transmissão de dados só foi possível porque toda a estrutura do Instituto foi preparada para permitir o uso da tecnologia wireless. A adaptação, inédita nos hospitais brasileiros, de acordo com o profissional, está sendo utilizada em pacientes desde o dia 25 de agosto, após uma fase bem sucedida de testes.

Em hospitais onde ela não está totalmente implantada, os aparelhos de ultra-sonografia e raios X, mesmo portáteis, exigem que a sala onde é feito o exame tenha um ponto de rede. Isso muitas vezes limita o uso do equipamento e com isso reduz a agilidade na realização dos exames e na obtenção dos resultados.

Vilson e a equipe de TI fizeram a adaptação do ultra-som usando uma placa wireless - um investimento de aproximadamente R$ 150. Depois de configurado, basta ligar o equipamento à energia elétrica e ele estará pronto para realizar exames, seja em unidades de terapia intensiva, em leitos, em consultórios ou até mesmo nos corredores do hospital.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.