Inquérito sobre acidente com avião da TAM deve ser concluído em outubro

SÃO PAULO - O processo que irá apontar definitivamente as causas e quem deve responder criminalmente pela queda e morte das vítimas do avião da TAM deverá terminar entre setembro e outubro deste ano. A informação é do delegado Antônio Carlos Menezes Barbosa, titular do 27º Distrito Policial (DP), responsável pelo inquérito. Ele se encontrou neste sábado com os parentes das vítimas, em um hotel próximo ao local da tragédia, em frente ao Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul da cidade de São Paulo.

Agência Brasil |

Ele disse que desde o início das investigações já foram ouvidas 306 pessoas, incluindo parentes, controladores de vôos, pilotos e funcionários da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Segundo o delegado, resta apenas anexar documentos sobre o trabalho de perícia técnica para concluir o processo, que já tem 12,7 mil páginas.

Só nos falta o documento que está apontando as causas técnicas por parte do Cenipa [Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes]". De acordo Barbosa, há uma previsão do laudo técnico para o mês de setembro. Depois disso, no máximo em 30 dias, a polícia conclui o inquérito.

Antes da reunião com o delegado, os familiares fizeram um encontro a portas fechadas como o que eles fazem mensalmente, desde o acidente com o vôo JJ 3054, há quase um ano, em 17 de julho de 2007. Segundo os organizadores, comparecem ao encontro 142 pessoas.

O presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas (Favitam), Dario Scott, que perdeu a única filha no acidente, disse que o grupo tem feito manifestações como alerta para evitar acidentes de tal gravidade. Nós ainda estamos com problemas [na aviação]. Queremos que o governo tome atitudes concretas, que os órgãos competentes fiscalizem as companhias aéreas para que respeitem as normas de segurança", reivindicou.

Para Scott, o problema é mais complexo do que, simplesmente, atribuir culpa aos pilotos, referindo-se ao fato de ter sido constatado que, na hora da queda, o avião da TAM estava com a alavanca posicionada de forma irregular para a aterrissagem. Isso teria deixado aparelho em movimento de aceleração.

A reunião que os parentes das vítimas teriam hoje com o brigadeiro Jorge Karsul Filho, chefe do Cepina, foi adiada para julho. Segundo informações da assessoria de imprensa da TAM, já foram firmados e pagos 75 acordos a parentes das vítimas e concedida antecipação de indenizações a 155 famílias.

Leia mais sobre: acidente da TAM

    Leia tudo sobre: acidente da tam

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG