Ingresso de show de Michael Jackson pode virar souvenir

Mais de 750 mil fãs de Michael Jackson podem obter reembolso total por ingressos dos 50 shows cancelados após a morte da estrela pop. Outra opção é receber os tíquetes como souvenirs, informaram os promotores do evento nesta segunda-feira.

Agência Estado |

Em uma medida que pode ajudar a recuperar parte de suas perdas com a turnê, a AEG Live, empresa sediada em Los Angeles, disse que os fãs podem receber os ingressos verdadeiros, que segundo a companhia são "inspirados e desenhados" pelo próprio cantor.

Imagens dos tíquetes, que incluem um efeito 3-D, podem ser vistas no site Michael Jackson on Live , a partir de amanhã, segundo comunicado da AEG. Os fãs têm até 14 de agosto para aceitar a oferta do ingresso. Para os que optarem pelo dinheiro de volta, todas as taxas de serviço cobradas pelos vendedores autorizados estarão incluídas, afirmou o texto. Os fãs gastaram mais de US$ 90 milhões em ingressos, que custavam entre US$ 82 e US$ 124, ainda que outros tenham chegado a centenas de dólares, em leilões pela internet.

A AEG aparentemente conta com os fãs mais apaixonados, que podem querer manter os ingressos como uma lembrança do que poderia ter sido - ou mesmo para conseguir dinheiro mais tarde, com colecionadores. Muitos fizeram isso após a morte de Elvis Presley, em 1977. Elliot Parkin, um operário de 27 anos, disse que seus amigos pretendem ficar com os ingressos. "Ele será lembrado por sua música, acima de tudo", afirmou Parkin, que planejava ir a um dos shows em Londres. "O funeral dele será maior que o da (princesa) Diana."

Além de ter que devolver o dinheiro das entradas, a AEG Live já pagara milhões de dólares a Michael e gastava outros milhões a fim de deixar tudo pronto para a estreia de 13 de julho. É preciso saber ainda quanto da turnê programada estava previsto em um segundo feito pela empresa, para o caso de os shows não ocorrerem. A AEG não divulgou informação sobre o porcentual, nem sobre quantas companhias de seguro estarem envolvidas. Um operador do setor afirmou que a empresa deve ter vários contratos, como uma forma de diluir o risco.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG