SÃO PAULO ¿ O primeiro é bastante conhecido dos cinéfilos brasileiros, mas aparece com filmes mais obscuros. Já o segundo é praticamente uma incógnita no país, e vem com uma dezena de suas principais obras. São, respectivamente, Ingmar Bergman e Kihachi Okamoto, temas de duas retrospectivas na 32ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. O evento, que começa nesta sexta-feira (17), vai até o dia 30.

Acordo Ortográfico De Bergman, cineasta falecido em 2006, estão na programação filmes há muito não exibidos no Brasil. Apesar de não destrutarem na fama de "O Sétimo Selo" (1957) ou "Gritos e Sussurros" (1973), obras como "A Hora do Lobo" (1968) e "A Paixão de Anna" (1969) estão entre os melhores trabalhos do mestre sueco.

A retrospectiva também é uma oportunidade para ver os primeiros longas do diretor. São filmes feitos antes de "Monika e o Desejo" (1952) e "Noites de Circo" (1953), que o tornaram conhecido fora da Suécia. Por exemplo, seu longa de estreia, "Crise" (1946), ou então "Prisão" (1949), considerado o seu primeiro grande trabalho.

A Mostra ainda sedia a exposição Meus Encontros com Bergman, uma seleção de fotografias em que o cineasta aparece nos bastidores de peças teatrais e filmagens. Expostas na Galeria do Conjunto Nacional, as fotos foram tiradas entre as décadas de 1950 e 80 e já passaram por Estocolmo e Tóquio.

O diretor japonês Kihachi Okamoto,
morto em 2005 / Divulgação

Se Bergman é um nome conhecido até pelos não iniciados, o japonês Kihachi Okamoto é privilégio dos fãs de cinema oriental. Nascido em 1924, ele começou a dirigir no final dos anos 50. A mostra traz 14 de seus principais trabalhos, como "A Espada da Maldição" (1966) e "O Guerreiro Vermelho" (1969).

Nesta sexta-feira, serão exibidos na Sala Petrobrás da Cinemateca quatro filmes do japonês. A maratona começa às 14h30, com "O Último Tiroteio". Depois, é a vez de "Tudo Sobre Casamento" (16h20), "O Guerreiro Vermelho" (18h) e "Oh, Minha Bomba!" (20h20). A mesma Cinemateca, só que na Sala BNDES, exibe às 14h o grande "Vergonha", de Ingmar Bergman.

Outro destaque desta edição do evento é o alemão Wim Wenders. O diretor ganhou uma mostra não de seus próprios filmes, mas de longas escolhidos por ele. Segundo o diretor e fundador da Mostra, Wenders teve "carta branca". Ele selecionou 15 títulos, que vão desde clássicos ("Fim de Verão", de Yasujiro Ozu) a estreantes ("Bye Bye Blackbird", de Robinson Savary).

Assista a trechos dos filmes de Ingmar Bergman:

Veja o trailer de "Oh, minha bomba!", de Kihachi Okamoto:

Confira ainda vídeos de " Tudo sobre casamento ", " Desperado " e " Kill "

Leia mais sobre: Mostra de São Paulo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.