Depois de passarem seis dias em carceragens do Rio de Janeiro, as inglesas Shanti Andrews e Rebecca Turner, ambas de 23 anos, relataram à imprensa britânica terem vivido um pesadelo na cadeia feminina da Polícia Civil, em Mesquita, na Baixada Fluminense. Ela também compararam a penitenciária Bangu 7, para onde foram transferidas e onde permaneceram por um dia, ao portão do inferno.

Elas foram presas no domingo passado(dia 26), depois de terem comunicado o roubo de pertences que, no entanto, foram localizados pelos policiais no albergue em que estavam hospedadas. Para a polícia, elas tentavam dar um golpe na seguradora de suas bagagens. As inglesas foram libertadas no fim da tarde de ontem e serão julgadas por estelionato, crime sujeito a pena de um a cinco anos de prisão.


As duas inglesas detidas no Rio de Janeiro.

Superlotação

Em entrevista ao jornal inglês "Daily Mail", Rebecca e Shanti contaram que a cela em Mesquita estava superlotada e elas tiveram de deitar no corredor, no chão de concreto. "Mesmo assim era tão apertado que você só podia deitar de um lado", contou Rebecca. "Dorminos duas ou três horas na semana passada, estávamos tão cansadas", disse Shanti.

As inglesas queixaram-se ainda de que havia apenas um chuveiro na cela e que chegou a faltar água num dos dias. Não havia descarga no único vaso sanitário. "O cheiro era terrível", afirmou Shanti. Elas disseram que foram bem tratadas pelas detentas em Mesquita, mas tiveram de ficar ao lado de assassinas e traficantes.

Abusos

Em Bangu 7, segundo contaram, outras presas perguntaram se eram lésbicas e elas temeram sofrer algum tipo de abuso sexual. "Quando os advogados disseram que seríamos libertadas, começamos a chorar. Tudo o que queríamos era tomar um banho."

As inglesas tiveram os passaportes confiscados e vão permanecer no Brasil até o julgamento, o que deve ocorrer em um mês. A primeira audiência está marcada para quarta-feira (dia 5).

Leia mais sobre prisões

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.