BRASÍLIA - O candidato à presidência do Senado, Tião Viana (PT-AC), disse nesta segunda-feira que a interferência do Executivo na eleição da Casa é normal, mas que são os senadores quem vão, em última instância, escolher seu novo comandante. O assunto veio à tona na semana passada, quando Lula, mais uma vez, pediu o apoio do senador José Sarney (PMDB-AP) para Viana. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/11/10/garibaldi_diz_que_sarney_e_consenso_entre_os_senadores_da_casa_2105595.html target=_top Garibaldi diz que Sarney é consenso entre os senadores da Casa

Acordo Ortográfico

"Nos 180 anos de Senado nunca existiu uma escolha de presidente que o Executivo não deu sua opinião. Isso faz parte das instituições democráticas. É normal. Mas cabe aos senadores definir seu presidente", disse.

Em busca de se eleger presidente, Tião vem conversando com senadores individualmente e também com lideres partidários ¿ chegou até mesmo a falar com o governador de São Paulo, José Serra, sobre sua candidatura.

O PMDB, por sua vez, é a maior bancada da Câmara e do Senado. Na primeira conta com a candidatura de Michel temer (PMDB-SP) à presidência. Na segunda Casa, reivindica o posto.

Petistas, como o presidente Lula, avaliam que não seria uma boa política a concentração do poder nas mãos do PMDB. Alegam que o acordo que elegeu o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), previa a alternância dos partidos na Câmara e no Senado. Assim, a Câmara passa a presidência do PT para o MPDB, e no Senado se dá o quadro inverso.

Após conversa com Lula, Sarney, que junto com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) defende, nos bastidores, um nome do PMDB para a presidência do Senado, aparentemente recuou em sua posição. Ele espera algum tipo troco político no caso de seu partido abrir mão da presidência do Senado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.