Indústria farmacêutica quer ampliar prazo de patentes

Laboratórios multinacionais e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) estão medindo forças na Justiça. A briga é movida por medicamentos com patentes próximas a expirar.

Agência Estado |

Em 1996, a Lei nº 9.279 - que trata da proteção da propriedade industrial - criou um mecanismo batizado de pipeline que, na prática, reconheceu aqui as patentes obtidas em outros países. Hoje, 12 anos depois, as empresas pedem a extensão do direito de exclusividade de comercialização desses medicamentos.

Em 1999, apenas um pedido de extensão de patente chegou ao Judiciário. Agora, a disputa parece ter se instalado de vez. No último ano, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região, por onde passam 90% das disputas do tipo, julgou 25 ações movidas pelas empresas contra o INPI. Neste ano, tramitam no tribunal 11 ações como essa.

O direito à propriedade industrial de qualquer produto é válida por 20 anos. Entre 1996 e 1997, prazo dado pela lei nacional a produtores que quisessem se beneficiar do dispositivo, 1.182 pedidos de diferentes produtos, foram depositados. A reclamação dos laboratórios é que a exclusividade para o pipeline teve menor duração, pois as patentes foram reconhecidas aqui com a data de depósito de seus países de origem.

Os medicamentos pipeline também são questionados pelo Ministério da Saúde. Para a pasta, os artigos 230 e 231 da Lei de Patentes que criaram o pipeline são inconstitucionais. Isso pode levar a Advocacia Geral da União a mover uma ação direta de inconstitucionalidade contra o dispositivo legal.

Indústria

Em 2007, R$ 730 milhões foram gastos pelo Ministério da Saúde para a compra desse tipo de medicamento. O presidente da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), Gabriel Tannus, afirma não existir disputa com o INPI nem a intenção dos laboratórios de prejudicar o acesso aos medicamentos. “A lei permite fazer o pedido de extensão do prazo. O INPI pode recusar se quiser”, diz.

Para a advogada da Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS, Renata Reis, a extensão das patentes “é a perpetuação do absurdo”. Os anti-retrovirais Abacavir, Amprenavir, Nelfinavir, Lopinavir/Ritonavir, além do Efavirenz - licenciado compulsoriamente pelo governo brasileiro - são exemplos de patentes pipeline. “A Organização Mundial do Comércio concedeu a países como Brasil e Índia dez anos para se enquadrar nas regras de proteção industrial”, diz. “Fizemos isso em dois anos. A Índia usou todo o prazo e transformou-se em grande produtora de genéricos.” As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

Emilio Sant'Anna

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG