Índios Pataxó temem pela segurança na volta para casa

BRASÍLIA - Depois do pedido de vista que suspendeu o julgamento, no Supremo Tribunal Federal (STF), da validade dos títulos de posse na Terra Indígena Caramuru-Paraguaçu (BA), os índios Pataxó Hã Hã Hãe que vivem na região disseram temer pela segurança na volta para casa.

Agência Brasil |

Acordo Ortográfico

É preciso que a gente tenha segurança de vida, porque lá na base eles [fazendeiros] já estão se achando donos e a ameaça é muito grande, afirmou a cacique Ilza Rodrigues.

Já perdemos 22 lideranças assassinadas. Nossa volta tem que ser segredo de Estado porque os fazendeiros já estão preparados com pistoleiros. É a rotina lá, acrescentou o cacique Acanauã Dainã.

O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Meira, informou que agentes da Polícia Federal já monitoram a área de 54,1 mil hectares e que, se necessário, será pedido reforço.

A Polícia Federal atuará para garantir a segurança pública na região. Enquanto o caso não voltar a julgamento, não pode haver qualquer violação à lei por parte dos fazendeiros ou dos índios, afirmou.

A ação que estava sendo julgada nesta quarta-feira pelo Supremo tramita na Justiça há 25 anos. Na ação, a Funai pede que sejam declarados nulos títulos de propriedade de imóveis rurais na Terra Indígena Caramuru-Paraguaçu. Na área, vivem aproximadamente 4 mil índios Pataxó Hã-Hã-Hãe e fazendeiros que obtiveram títulos de posse do governo do Estado.

Leia mais sobre: terras indígenas - Raposa Serra do Sol

    Leia tudo sobre: reservas indígenas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG