Cerca de 100 integrantes da família Kaiowá Guarani ocupam acampamento na fronteira do Mato Grosso do Sul com Paraguai

selo

Cerca de 100 índios da família Kaiowá Guarani ocupam desde as primeiras horas de hoje o acampamento Guaviry, na faixa de fronteira entre o Mato Grosso do Sul e o Paraguai, exigindo o corpo do cacique Nísio Gomes, de 59 anos, que teria sido morto na última sexta-feira por um grupo de aproximadamente 40 homens armados. O coordenador do Conselho Indigenista Missionário de Mato Grosso do Sul (CIMI/MS), Flávio Vicente Machado, disse que não "restam dúvida de que o cacique foi morto".

Leia também:
No Pará, índios queimam ponte para cobrar estrada e carro do governo
Índios da Amazônia contestam construção de Belo Monte

O clima é tenso na região e lideranças indígenas e de organizações indigenistas cobram "medidas mais eficazes" com relação à segurança no acampamento, que vive "na eminência de um novo ataque". "Queremos uma força-tarefa - Polícia Federal, Força Nacional - para dar segurança para os que estão no acampamento", disse Machado.

O cacique teria sido morto na sexta-feira depois que o acampamento, que fica na faixa de fronteira entre os municípios de Amambai e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, na fronteira entre Brasil e Paraguai, foi invadido por cerca de 40 homens armados. Um dos filhos do cacique disse que pistoleiros invadiram o acampamento e atiraram na cabeça de seu pai. Em seguida, o corpo teria sido arrastado e jogado em cima de uma caminhonete.

Enquanto os movimentos indigenistas tratam do caso como assassinato, as polícias Federal e Civil, o Ministério Público Federal e a Funai investigam o caso como desaparecimento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.