terra prometida - Brasil - iG" /

Índios esperam decisão favorável à homologação contínua da terra prometida

RORAIMA - Em vigília desde o início da manhã desta quarta-feira para acompanhar o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a legalidade da demarcação contínua da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, líderes indígenas ligados ao Conselho Indígena de Roraima (CIR) esperaram com esperança uma decisão favorável à homologação feita pelo governo federal em 2005 e aguardam a saída dos arrozeiros.

Agência Brasil |

"Estamos aguardando que se cumpra a lei. Se o decreto de homologação não for cumprido vai ser um desrespeito à Constituição brasileira. Vai ser muito ruim para nós, o povo indígena vai continuar sofrendo, desassistido, sendo perseguido e derramando seu sangue", afirmou o coordenador regional do CIR, Walter de Oliveira.

Em uma missa celebrada em português e no dialeto macuxi, cerca de 500 indígenas ouviram comparações entre a Raposa Serra do Sol e a "terra prometida" e com orações católicas pediram que a decisão do STF determine a saída dos arrozeiros.

Oliveira reafirmou que, qualquer que seja a decisão do tribunal, os indígenas ligados ao CIR permanecerão na Raposa e não desocuparão nenhuma área dos 1,7 milhão de hectares da reserva.

"A comunidade vai continuar aqui. Nasceu aqui, vive aqui e vai morrer aqui; não temos outro lugar. Dizem que vamos invadir as fazendas; como podem dizer que é invasão se nascemos aqui nessa terra?", apontou.

Um grupo de indígenas opositores do CIR - favoráveis à permanência dos arrozeiros - acompanha o julgamento ao vivo por uma televisão.

Apesar da aparente tranqüilidade entre os grupos, 150 homens da Polícia Federal e pelo menos 40 da Força Nacional de Segurança estiveram na Vila Surumu.

"Só vai haver conflito se for por parte dos invasores arrozeiros", afirmou Oliveira sem descartar a possibilidade de reação violenta.

    Leia tudo sobre: raposa serra do sol

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG