Tamanho do texto

Os cerca de 40 índios das etnias javaé e karajá que estavam acampados na barreira Jaraguá e impediam a entrada na Ilha do Bananal, em Tocantins, devem liberar hoje o acesso de oficiais de Justiça na terra indígena, assim como a retirada do gado de fazendeiros que ocupam áreas na região. A decisão foi tomada após acordo que prevê a implementação de projeto de pecuária pelos próprios índios.

No próximo dia 10 de julho, será realizada uma reunião na Procuradoria da República no Tocantins entre índios e órgãos de assistência técnica e de financiamento para debater e definir os termos do acordo que foram inicialmente apresentados pelos indígenas em documento enviado ao procurador da República Álvaro Manzano.

Com a medida, a intervenção da Polícia Militar do Tocantins na retirada do gado, bem como o aumento do efetivo da Polícia Federal que acompanha a ação, não serão necessários para que a decisão judicial seja cumprida. Os cinco agentes da Polícia Federal que estão no local continuarão acompanhando os oficiais de Justiça que apresentaram os mandados de desocupação da área aos criadores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.