O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Rolf Hackbart, disse estar indignado com a destruição de laranjais da fazenda Santo Henrique, do grupo Cutrale, em Borebi, no interior de São Paulo. A área foi invadida no último dia 28 e os sem-terra usaram tratores da empresa para arrancar 7 mil pés de laranja.

"Condeno com veemência esse comportamento que não contribui para a reforma agrária e para o diálogo", afirmou. Ele disse ter ficado chocado com as imagens da destruição que circularam pela internet.

De acordo com Hackbart, o Incra cumpriu seu papel ao questionar na Justiça Federal a titularidade das terras. "O polígono de Iaras tem 40 mil hectares e quem vai decidir é a Justiça." Enquanto isso, segundo ele, deve haver respeito por quem está produzindo. "Há no mínimo uma presunção de boa fé por parte da empresa e atitude como aquela não contribui para o avanço da reforma agrária."

Nota

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) divulgou nesta tarde uma nota sobre a ocupação da fazenda de produção de laranja na região central do Estado de São Paulo. O movimento acusa a Cutrale de utilizar terras griladas da União para a monocultura de laranja.

Segundo o MST, a ocupação visa denunciar que a empresa está sediada em terras da União utilizadas de forma irregular. Cerca de 250 famílias do movimento permanecem acampadas na área de cerca de 2,7 mil hectares.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.