O presidente Luiz Inácio Lula da Silva evitou comentar nesta terça-feira as acusações que envolvem o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM). Lula está em Portugal, onde participou da Cúpula Ibero-americana, e segue ainda hoje para Kiev, na Ucrânia.


Arruda foi flagrado em um vídeo, divulgado em primeira mão pelo iG , recebendo dinheiro do ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa que, segundo inquérito da Polícia Federal, mostra um esquema de corrupção que teria começado nas eleições de 2006 e que continuou até os dias atuais.

"As imagens não falam por si", disse Lula. "O que fala por si é todo o processo de apuração, todo o processo de investigação. Quando tiver toda a investigação terminada, a Polícia Federal vai ter que apresentar o resultado final do processo. Aí quem vai fazer juízo de valor é a justiça. O presidente da República não pode ficar dando palpite", acrescentou.


O PT envolveu-se em escândalo similar, em 2005, quando foi acusado de participar de um esquema de compra de apoio ao governo no Congresso. O chamado mensalão do PT foi denunciado pelo então deputado federal, Roberto Jefferson.

Reforma política

Lula, durante a entrevista, ainda cobrou do Congresso Nacional a aprovação da reforma política e do financiamento público das campanhas para evitar crimes eleitorais.

Segundo a Polícia Federal, parte do dinheiro que Arruda teria recebido de forma não declarada de empresas privadas foi para sua campanha, em 2006. Para Lula, a reforma política é condição para evitar escândalos como o que atinge o governo do Distrito Federal.

Já mandei duas minirreformas políticas para o Congresso Nacional. Mandamos agora uma reforma com sete pontos importantes para serem votados, entre eles o financiamento público. Espero que o Congresso tenha maturidade para compreender que grande parte dos problemas que acontecem envolvem a questão da estrutura partidária no Brasil", afirmou.

(*com informações da Agência Brasil)

Escândalo no Distrito Federal

Entenda

Inquérito da PF

Vídeos

Leia também:

Crise de 2001

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.