Mulher de 65 anos foi denunciada pelos próprios filhos, que teriam filmado as agressões

selo

Uma mulher de 65 anos foi presa suspeita de torturar, por cerca de 20 anos, uma parente deficiente auditiva e visual, de 58 anos, na cidade de Canoas, no Rio Grande do Sul. A susposta agressora foi denunciada pelos próprios filhos, que afirmaram terem presenciaram os crimes por anos.

A responsável pela Delegacia da Mulher na cidade gaúcha, Kátia Rheinheimer, disse que "a vítima apresenta muitos ferimentos e traços das agressões sofridas". "Os ferimentos foram provocados por alicate, pedaço de pau", acrescentou a delegada.

Depois das sessões de tortura, a vítima seria obrigada a ficar por horas dentro de um pequeno banheiro, sem água, comida ou cuidados para os ferimentos, segundo Kátia.

Os filhos da suspeita, de 31 e 23 anos, gravaram as agressões em vídeo e áudio para fazerem a denúncia. Eles disseram que não falaram antes com a polícia por terem sido ameaçados pela mãe. Dentre as lesões registradas no vídeo estão uma facada no abdômen, lesões nos dentes e fraturas nos ossos.

A idosa não quis se manifestar sem seu advogado no depoimento à polícia. Ela foi encaminhada ao presídio Madre Pelletier e será indiciada pelos crimes de prática de tortura, lesão corporal grave, cárcere privado e corrupção de menores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.