Ibovespa sobe 3,71%, a maior alta desde 18 de maio

A recuperação nos preços de matérias-primas (commodities) e das Bolsas norte-americanas fez o humor melhorar bastante na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) hoje. Assim, depois de um início titubeante, o índice Bovespa (Ibovespa) sustentou-se em alta firme, recuperando o patamar de 51 mil pontos.

Agência Estado |

As blue chips, que não mostravam muita firmeza pela manhã, acompanharam o desempenho do índice à vista à tarde, enquanto as siderúrgicas foram destaque de ganhos. Os dados favoráveis do setor de crédito também beneficiaram os bancos e papéis do setor da construção civil.

O Ibovespa terminou a sessão na máxima pontuação do dia, aos 51.514,82 pontos, com alta de 3,71%. Trata-se da maior variação porcentual desde 18 de maio (5,01%). No mês, o Ibovespa ainda acumula perda de 3,16% e, no ano, ganho de 37,19%. Na mínima do dia, caiu 0,69%, aos 49.327 pontos. O giro financeiro totalizou R$ 4,776 bilhões. Os dados são preliminares.

Depois de um começo instável, a razão para a Bovespa engatar de vez na trajetória de elevação foi a prorrogação, pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano), do programa de troca de moedas (swap cambial) com bancos centrais de vários países até 1º de fevereiro de 2010. O Brasil é um dos beneficiados pelo programa e o Banco Central brasileiro confirmou a extensão de um swap de US$ 30 bilhões com o Fed.

Além disso, Nicholas Barbarisi, sócio e diretor de operações da Hera, chamou a atenção para a recuperação dos preços das commodities, que passaram a pressionar positivamente as ações domésticas. Os metais básicos, por exemplo, passaram de uma queda no período matutino para alta no fechamento, enquanto o petróleo ampliou os ganhos. Vale e Petrobras, as principais ações do Ibovespa, também engrossaram a alta. "E após as últimas quedas, o mercado fez um ajuste nos papéis que estavam baratos", comentou Barbarisi.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato de petróleo com vencimento em agosto avançou 2,27%, para US$ 70,23 o barril. Petrobras ON e PN terminaram na mesma variação, de +4,03%. Vale ON terminou em elevação de 3,35%, e PNA, de 4,10%. Hoje, as duas empresas confirmaram o acordo de parceria para exploração e posterior desenvolvimento do bloco BM-ES-22, localizado no norte da Bacia do Espírito Santo.

A recuperação das blue chips também recaiu sobre as siderúrgicas, que avançaram ainda na expectativa de renovação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para setores como automotivo e linha branca. Hoje, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse que a decisão do governo deve sair na próxima semana. No final da tarde o presidente Lula disse que o ministro Guido Mantega (Fazenda) fará um anúncio sobre o assunto na segunda-feira, mas disse desconhecer seu conteúdo.

Também favoreceu a Bovespa a melhora dos ânimos em Wall Street, apesar de o PIB dos Estados Unidos do primeiro trimestre ter recuado 5,5%. O número, é bom destacar, foi melhor do que a previsão anterior, de -5,7%. Mas o dado de pedidos de auxílio-desemprego não foi bom, já que subiu em 15 mil pedidos, ante expectativas de queda de 3 mil.

Apesar desses indicadores pouco favoráveis, os principais índices do mercado de ações norte-americano subiram, impulsionados por uma correção nos papéis de diversos setores após as perdas acumuladas recentemente. O setor varejista foi destaque, após a rede varejista Bed, Bath & Beyond divulgar que registrou um lucro superior à estimativa dos investidores no primeiro trimestre. O Dow Jones terminou em alta de 2,08%, aos 8.472,40 pontos, o Nasdaq avançou 2,14%, para 920,26 pontos, e o S&P 500 subiu 2,08%, para 1.829,54 pontos.

No mercado doméstico, a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da VisaNet continuou em destaque. Hoje, a empresa ampliou o período de reserva de ações para investidores não institucionais até as 16 horas - o prazo terminaria ontem. A medida foi tomada após a exclusão de 23 corretoras da oferta, pelo coordenador líder, Bradesco BBI, sob a justificativa de utilização de material publicitário sem prévia aprovação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e descumprimento à instrução 400 da autarquia. O preço da operação deverá ser conhecido na noite de hoje.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG