IBGE: mais da metade das casas não está ligada a rede de esgoto

Só 44% dos domicílios do País tinham acesso à rede geral de esgoto em 2008. Em apenas 28,5%, o que é coletado recebe tratamento

Daniel Torres, iG São Paulo |

 O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB 2008). O estudo faz um raio-x da extensão e qualidade das redes de esgoto, de abastecimento de água, de drenagem da água da chuva e coleta de lixo e limpeza pública que atendiam os 5.554 municípios brasileiros em 2008. Mesmo indicando melhorias desde a última pesquisa, realizada em 2000, a PSNB 2008 mostra um longo caminho a ser percorrido pelos governos federais, estaduais e municipais na prestação de serviço de saneamento básico para a população. 

Entre os quatro serviços analisados, o de coleta de esgoto sanitário por rede é o que atinge a menor parcela de residências brasileiras. Apenas 44% dos 57,7 milhões de domicílios do País (dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2008) tinham acesso à rede geral de esgoto em 2008, ou seja, 25 milhões. Em 2000, dos 44,7 milhões (dados do Censo 2000), o índice era de 33,5% (15 milhões). Especialistas dizem que crescimento é "pífeo".

Em 2008, apenas na região Sudeste mais da metade dos domicílios (69,8%) tinha acesso à rede. A segunda região em cobertura do serviço foi a Centro-Oeste (33,7%), com resultado próximo ao do Sul (30,2%). Seguem-se as regiões Nordeste (22,4%) e Norte (3,8%). 

Domicílios com acesso à rede de esgotamento

Gerando gráfico...
IBGE

No ranking de unidade da Federação, os únicos com mais da metade dos domicílios atendidos por rede geral coletora de esgoto foram Distrito Federal (86,3%), São Paulo (82,1%), e Minas Gerais (68,9%). O Rio de Janeiro (49,2%) e o Paraná (46,3%)%), com quase metade dos domicílios atendidos, ficaram acima da média nacional, enquanto os demais apresentaram menos de 35% de cobertura, ficando as menores proporções com o Amapá (3,5%), Pará (1,7%) e Rondônia (1,6%). 

Para quem vive em região sem tratamento de esgoto e saneamento básico, os riscos estão na degradação do solo e no contato com a sujeira e agentes que possam trensmitir doenças. Essa combinação chuva mais esgoto infiltrado no solo contribuiu para a tragédia ocorrida na vida da doméstica Nair Silva Neta, de 39 anos, moradora da Comunidade da Cachoeira, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. A casa foi soterrada em abril e agora ela vive em um espaço improvisado em um ferro-velho. “Sempre ficava preocupada com meus filhos com o risco deles pegarem uma doença, como leptospirose, por causa do esgoto aberto. Esse descaso contribuiu para a tragédia e perdi minha casa", lamenta.

Segundo a pesquisa, pouco mais da metade dos municípios brasileiros (3.069) tinha serviço de rede de esgoto em 2008, o que corresponde a 55,2%. O números de brasileiros sem a cobertura desse serviço, considerando-se apenas os municípios sem rede coletora, era de aproximadamente 34,8 milhões de pessoas, cerca de 18% da população. Dos 27 Estados, em apenas oito, mais da metade dos municípios possuíam rede coletora de esgoto, sendo os extremos representados pelos Estados de São Paulo (99,8%)* e Piauí (4,5%). 

Tratamento

O índice de pouco mais da metade dos municípios brasileiros com rede de esgoto refere-se apenas à existência do serviço no município, sem considerar a extensão da rede, a qualidade do atendimento, o número de domicílios atendidos, ou se o esgoto, depois de recolhido, é tratado. Mas para se obter condições sanitárias adequadas, não basta que o esgoto seja adequadamente coletado por meio de uma rede geral, ele precisa sofrer algum tipo de tratamento.

A pesquisa mostrou que apenas 28,5% dos municípios brasileiros fizeram tratamento de seu esgoto. Mesmo na região Sudeste, onde 95,1% dos municípios possuíam coleta de esgoto, menos da metade desses (48,4%) o trataram. Além do Sudeste, o melhor desempenho nesse sentido foi observado nas regiões Centro-Oeste (25,3%) e Sul (24,1%). A menor proporção de municípios com coleta (13,4%) e tratamento de esgoto (7,6%) foi observada no Norte, o que, segundo o estudo, em parte se explica pela baixa densidade demográfica da região combinada com a elevada capacidade de autodepuração de seus rios. 

Com exceção do Distrito Federal, em apenas três Estados, mais da metade dos municípios possuíam tratamento de esgoto: São Paulo (78,4%); Espírito Santo (69,2%); e Rio de Janeiro (58,7%). O Ceará (48,9%) obteve a marca mais elevada do Nordeste; no Centro-Oeste, destacou-se o Mato Grosso do Sul (43,6%); e, no Sul, Paraná (41,1%).

Em cinco Estados, a proporção de municípios com tratamento de esgoto foi inferior a 10%: Sergipe (9,3%); Amazonas (4,8%); Pará (4,2%); Rondônia (3,8%); Piauí (2,2%); e Maranhão (1,4%). Minas Gerais (22,7%) e Rio Grande do Sul (15,1%), importantes do ponto de vista econômico, tiveram resultados inferiores à média nacional. 

Apesar de menos de 1/3 dos municípios brasileiros terem tratamento de esgoto, o volume tratado representava, em 2008, 68,8% do que era coletado. Esse resultado é explicado pelo fato dos municípios com tratamento de esgoto concentrarem uma parcela significativa do esgoto coletado. Nesse indicador, houve um avanço considerável em relação a 2000, quando, segundo a PNSB, a proporção era de 35,3%.

Melhorias

De 2000 para 2008, também aumentou o número de municípios com ampliações ou melhorias no serviço de coleta de esgoto sanitário, segundo a PSNB. Em 2008, 79,9% dos municípios com coleta de esgoto estavam ampliando ou melhorando seu serviço, contra 58,0%, em 2000.

* Segundo a pesquisa, em São Paulo, apenas a cidade de Itapura, de cerca de 4 mil habitantes, no oeste do Estado, não tinha rede de esgoto em 2008. Mas segundo a prefeitura da cidade, há cerca de 1 ano e meio foi inaugurada a rede coletora na cidade com duas estações elevatórias, uma lagoa de tratamento e com o potencial de atender toda a zona urbana. De acordo com a prefeitura, cerca de 45% das residências já fizeram as ligações prediais com a rede de esgoto. Assim, o Estado de São Paulo conta 100% dos municípios com coleta de esgoto.

- colaborou Anderson Dezan, do iG Rio de Janeiro

    Leia tudo sobre: IBGEsaneamento básicorede de esgotoPNSB

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG