Hypermarcas compra Neo Química por cerca de R$1,3 bi

SÃO PAULO (Reuters) - A Hypermarcas anunciou nesta segunda-feira a aquisição da Neo Química, criando o terceiro maior laboratório de capital brasileiro e o quarto maior em operação no país. A Hypermarcas informou que o negócio está estimado em cerca de 1,3 bilhão de reais. A Hypermarcas pagará 687 milhões de reais em três parcelas anuais aos atuais controladores da Neo Química, que também receberão 17,5 milhões de ações ordinárias a serem emitidas pela companhia, disse.

Reuters |

"Ao final da transação, os controladores da Neo Química deterão 7,3 por cento do capital total da Hypermarcas e participarão do bloco de controle da empresa."

Após a aquisição, o setor de medicamentos deve representar 40 por cento do faturamento total da Hypermarcas, acrescentou a companhia em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Completamos cinco aquisições no ano, com valor total de cerca de 2 bilhões de reais, em linha com a estratégia anunciada durante a oferta pública de ações em julho", afirmou no comunicado o presidente-executivo da Hypermarcas, Claudio Bergamo.

A operação complementa o portfólio de produtos da unidade de negócios Farma da Hypermarcas, com medicamentos genéricos.

A Neo Química foi criada em 1959, e a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) anualizado para 2009 é de 95 milhões de reais, com faturamento bruto de 380 milhões de reais.

A empresa inaugurou uma nova fábrica neste ano que a permitiu ingressar no mercado de injetáveis em frasco ampola. A companhia exporta para América Latina e África desde 2003 e mantém planos de expandir operações na Ásia e Europa até 2010.

Antes da aquisição da Neo Química, a Hypermarcas comprou a fabricante de preservativos Inal, que comercializa marcas como a Olla, por 212,6 milhões de reais. Antes disso, a empresa já havia fechado acordo para comprar a Pom Pom por 300 milhões de reais.

A Hypermarcas, fundada em 2000, consolida algumas das principais marcas de diversos setores do mercado de consumo, como Assolan, Monange, Paixão, Risqué, Lucretin, Benegrip, Apracur, Doril, Lisador, Engov, Gelol, Zero-Cal, Bozzano e Cenoura & Bronze.

O grupo brasileiro já vinha apontando a possibilidade de novas aquisições, buscando ampliar seus negócios para concorrer com gigantes internacionais como Unilever e Procter & Gamble.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG