Hospital perderá R$ 250 milhões no repasse do DPVAT

BRASIL - Uma mudança na forma de pagamento do DPVAT, o seguro obrigatório cobrado anualmente de proprietários de veículos, retirou dos hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) o ressarcimento pelos gastos com atendimento a vítimas de acidentes de trânsito. Essa alteração pode gerar perda de R$ 250 milhões aos hospitais, segundo a Associação Nacional de Trânsito (Anatran).

Agência Estado |

A Medida Provisória nº 451 causou confusão no setor porque passa a permitir apenas que o acidentado seja tratado nos hospitais usando a verba vinda do repasse do SUS, cerca de 30% mais baixa do que a paga pelo seguro. Antes, os estabelecimentos podiam, por procuração assinada pelo paciente, requisitar um valor do DPVAT para custear o atendimento. Segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep), a lei que deu origem ao DPVAT, em 1974, já deixava clara a proibição dos hospitais conveniados ao SUS de cobrar do seguro o ressarcimento.

Para a entidade, as mudanças trazidas pela MP 451 seriam uma forma de reforçar o impedimento dos hospitais de realizar uma dupla cobrança. Em nota, a entidade defendeu a medida, dizendo que o estabelecimento credenciado ao SUS tem de obrigatoriamente receber somente do SUS nos casos de atendimento às vitimas de acidente de trânsito. Segundo a Susep, o sistema já recebe vultoso repasse do valor do prêmio do DPVAT para este fim, não cabendo exceção nesta hipótese. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: DPVAT

    Leia tudo sobre: seguro obrigatório

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG