Hospital em SP deve encerrar ano com a realização de 70 abortos legais

O Hospital Pérola Byington, referência em saúde da mulher no Estado de São Paulo, deve encerrar o ano com a realização de 70 abortos legais, fruto de violência sexual. O número é 49% superior ao de 2008, quando foram registradas 47 interrupções de gravidez.

Agência Estado |

Em uma década e meia de atendimento, o Pérola Byington realizou 750 abortos legais e, segundo Jefferson Drezett, diretor do Núcleo de Atenção Integral à Mulher em Situação de Violência do hospital, sem nenhum risco à saúde da mulher.

Apesar de o número de abortos ter quase dobrado, não se pode afirmar que mais mulheres engravidaram de seus agressores. A explicação para esse crescimento seria o fato de as vítimas estarem mais informadas e o acesso aos serviços médicos, facilitado. “O porcentual de grávidas por estupro não muda. O índice (de gravidez) varia de 1% a 5% do total de mulheres estupradas em idade reprodutiva”, afirma Drezett.

Com base na literatura médica sobre o tema e em sua experiência na área, Drezett estima que, apenas no Estado de São Paulo, 800 mulheres engravidem todos anos depois de ser forçadas a fazer sexo. “Muitas delas ainda devem fazer abortos clandestinos”, diz. Assim como os casos de estupro são subnotificados às autoridades policiais, o mesmo ocorre com as gestações. A interrupção da gravidez é garantida desde 1940 pelo Código Penal Brasileiro nos casos de estupro, risco de vida para a mãe e má-formação do bebê incompatível com a vida. As informações são do Jornal da Tarde.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG