Funcionários do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) vão distribuir amanhã panfletos com informações sobre os efeitos do cigarro para a saúde. A ação faz parte das atividades organizadas pela entidade para marcar o Dia Mundial Sem Tabaco (31 de maio).

O diretor do Instituto Central do HC, Carlos Suslik, vai comentar os resultados de seis meses do projeto ICHC Livre do Tabaco - projeto que proibiu o fumo nas dependências do hospital.

No período de implantação do projeto, segundo informações da assessoria, oito profissionais foram advertidos verbalmente por desobediência às medidas de prevenção ao cigarro. O projeto prevê advertência por escrito para os casos de reincidência e suspensão na persistência. Três suspensões consecutivas podem resultar em demissão.

O projeto ainda foi o responsável pela redução em 99% do número de bitucas descartadas no chão da área externa do hospital. Em novembro de 2008, 4.513 bitucas foram registradas, contra 144 contadas em abril pelos profissionais do departamento de Higiene e Limpeza. Os pacientes que se declararam fumantes foram submetidos à terapia de reposição da nicotina (adesivo). No tratamento, foram utilizados 525 adesivos.

Já na Universidade Guarulhos (UnG), na Grande São Paulo, quem deseja largar o cigarro pode ter atendimento gratuito no PrevFumo, programa desenvolvido pelo curso de Fisioterapia da UnG em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). As inscrições para avaliação estão abertas e podem ser feitas pelo telefone (11) 2464-1778. Segundo o coordenador do PrevFumo na universidade, Everton Luís dos Santos, mudar comportamentos é muito difícil, mas fatores podem ajudar nessa mudança. "O principal deles talvez seja a motivação, a qual nos faz reconhecer o problema e buscar soluções".

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.