O Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP) da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas começa a fazer captação de medula óssea. Os doadores serão atendidos no próprio hospital (Avenida John Boyd Dunlop, s/nº, Jardim Ipaussurama), de segunda a sexta-feira, das 8h às 14 horas.

De acordo com informações do hospital, para se cadastrar o possível doador tem que ter entre 18 e 55 anos de idade, estar em bom estado geral de saúde e não ter doença infecciosa. A medula óssea do doador se recompõe em aproximadamente 15 dias, o que possibilita que ele mantenha o cadastro e possa fazer nova doação.

O transplante de medula óssea é recomendado a pacientes de doenças que afetam as células do sangue, como leucemias, anemia, aplasia e linfomas. A biomédica responsável pelo Hemocentro Unidade PUC, Maria Tereza Teori, a doação de medula óssea pode ser por punção no osso da bacia e aférese. No primeiro caso, o doador é anestesiado no centro cirúrgico. A medula é retirada do interior dos ossos da bacia por meio de punções. Os doadores retornam as suas atividades normais uma semana após a doação. No segundo caso, o doador toma um medicamento, que faz com que a célula da medula migre do osso para a corrente sanguínea, possibilitando que sejam retiradas pelas veias do braço.

A medula óssea é um tecido líquido que fica no interior dos ossos, sendo conhecido popularmente como tutano, e produz os componentes do sangue, as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos), e as plaquetas. O transplante possibilita que o organismo do paciente passe a produzir novas cédulas de medula óssea e do sangue. Mais informações pelos telefones das Unidades dos Hemocentros localizadas no hospital (19) 3343-8382, Hospital das Clínicas, da Unicamp (19) 35218720 e Hospital Dr. Mário Gatti (19) 3272-5501.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.