Homens preferem ambiente exclusivo em salões de beleza, diz gerente

Os homens aumentaram a freqüência nos salões de beleza e, de olho nesse mercado, começam a surgir espaços exclusivos para atrair esse público. Eles preferem ambiente exclusivo, sem mulheres, revela gerente do J.

Agência Estado |

J. Cabeleireiros, Augusto Castro, na capital paulista. Castro conta que o público masculino representa, atualmente, 40% da clientela do salão. Há quatro anos, informa, não era mais que 5%.

Castro diz que os homens procuram tratamentos rápidos, que "mudem o que seja comum, mas tenham o estilo do cliente". Além disso, ele afirma que alguns freqüentadores, antes de marcar a visita, perguntam se há espaço reservado para homens. Entre os serviços mais requisitados estão os tradicionais cortes de barba e cabelo, além práticas que indicam mudanças de hábitos, como massagens e cuidados com a pele do rosto.

George Arliani, proprietário da franquia brasileira do salão Llongueras, rede com sede em Barcelona, Espanha, e que conta com 133 unidades entre próprias e franqueadas em países como Itália e Portugal, diz que atualmente 30% do faturamento de seu estabelecimento vêm dos clientes homens. Segundo ele, há três anos, o salão fazia, mensalmente, cerca de 1,2 mil atendimentos em serviços, cerca de 100 para homens. Atualmente, são executados cerca de 5 mil serviços ao mês, dos quais cerca de 1,5 mil, 30%, para homens.

Arliani diz que depois do tradicional corte de cabelo, a maioria das solicitações é para manicure e depilação, principalmente de costas e sobrancelhas. "Os homens já têm consciência de que aparência é importante", acredita. Ele conta ainda que quem procura os serviços de manicure busca, principalmente retirar a cutícula, pele fina que se forma sobre a unha. Ele observa que, como os homens não querem nem ouvir falar em passar base (esmalte incolor) foi desenvolvida uma forma de polimento.

Só homens

De olho no mercado, em 2001 o empresário Enrico Montes abriu um salão de beleza exclusivo para homens, o Garagem Estética. "O local tem este nome porque o ambiente reproduz uma garagem", diz Montes. Ele explica que teve a idéia da decoração inspirado na paixão masculina por automóveis. Montes acredita que, com a exclusividade, os homens se sentem mais à vontade. "Dificilmente eles iriam tingir o cabelo num local freqüentado por mulheres", opina. Atualmente, diz, o atendimento chega a 1,7 mil serviços ao mês. O local ainda dispõe de charutaria e bar. Entre os serviços mais requisitados, informa Montes, estão a redução dos cabelos grisalhos, principalmente homens com idade entre 35 e 60 anos, além de massagem e limpeza de pele.

Marcos Burghi

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG