Homenagem a Luiz Gonzaga atrai 200 mil em São Paulo

Xaxado, forró, coco, xote, ciranda, embolada e, é claro, o baião não poderiam faltar nos três dias de shows em homenagem a Luiz Gonzaga, no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo. Mais de 200 mil pessoas, segundo estimativa da Guarda Civil Metropolitana, enfrentaram o frio em mais de 30 horas de shows da Virada Nordestina.

Agência Estado |

Dois palcos foram montados. Houve também apresentações de bonecos de mamulengo, performances sobre pernas de pau e danças do maracatu.

Ontem, o irrequieto Antonio Nóbrega tocou violino de joelhos e desceu do palco para dançar com o público. Sem reclamar, os seguranças fizeram escadinha para ajudá-lo a voltar ao microfone. São Paulo é a cidade de muitos nordestinos e faltava um evento como esse. Luiz Gonzaga soube entender a música do sertão e trazê-la para os grandes centros, disse o multi-instrumentista pernambucano.

Alceu Valença encerrou o evento, ontem, com um show misturando acordes de guitarra e sanfona. Gonzagão foi o primeiro a difundir a música nordestina dos emboladores e repentistas. Ele teve o papel relevante de fazer o Brasil olhar para dentro, disse Valença.

Repertório de outros nordestinos ilustres fizeram parte do espetáculo, como Jackson do Pandeiro e Sivuca. O evento ainda teve a sanfona de Dominguinhos, a voz potente de Elba Ramalho, a inovação do Cordel do Fogo Encantado, a simplicidade da Banda de Pífanos de Caruaru e o repente da dupla Caju & Castanha. No sábado, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), subiu ao palco com Dominguinhos. Eles cantaram 'Baião Número 1'. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: gonzaga

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG