Historiador é preso por furtar cartas de Lincoln e Washington

NOVA YORK (Reuters) - O historiador norte-americano Edward Renehan, 52 anos, foi condenado na sexta-feira a 18 meses de prisão depois de ter confessado o furto de cartas escritas pelos presidentes George Washington e Abraham Lincoln. As cartas (uma assinada por Lincoln em março de 1840; duas de autoria de Washington, em agosto de 1791 e dezembro de 1778) pertenciam à coleção pessoal do presidente Theodore Roosevelt e estavam sob os cuidados da Associação Theodore Roosevelt, entidade histórico-cultural nova-iorquina da qual Renehan foi diretor interino.

Reuters |

Depois de furtá-las da entidade, Renehan as vendeu por 97 mil dólares a uma galeria de Nova York, segundo o Ministério Público.

Jim Bruns, diretor da Associação Theodore Roosevelt, foi à audiência no prédio da Justiça Federal em Manhattan e disse que as cartas 'não são significativas na formação da América', mas eram valorizadas por Roosevelt, que as exibia em sua biblioteca.

O juiz Denny Chin qualificou o caso de 'constrangedor'.

'Por todos os relatos, o sr. Renehan é um historiador e biógrafo proeminente, e mesmo assim se envolveu nesse furto. É realmente difícil de entender. Não tenho certeza de ter ouvido uma explicação convincente', disse o magistrado.

Renehan, autor de seis livros, se diz vítima de transtorno bipolar, que na época dos crimes (2005 e 2006) não havia sido diagnosticado. 'Na época em que peguei essas cartas, eu estava num prolongado episódio maníaco', disse Renehan, comovido, num apelo por leniência.

O réu, que poderia pegar até 10 anos de prisão, deve se apresentar à prisão em 2 de janeiro.

(Reportagem de Edith Honan)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG