Hipertensão mata três vezes mais do que violência no País

O susto da equipe médica de Luis Inácio Lula da Silva tem um motivo que vai além da figura do presidente. Doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte no Brasil, com o registro de 300 mil óbitos por ano, segundo último levantamento do Ministério da Saúde.

Chris Bertelli, iG São Paulo |

O número corresponde a 30% do total de mortes no País. Em quase todos os casos de derrame cerebral, acidente vascular cerebral (AVC) e infarto, a hipertensão é a principal causa desse quadro, afirma Marcus Bolívar Malaquias, presidente do departamento de hipertensão arterial da Sociedade Brasileira do Coração.

A pressão alta pode lesionar órgãos vitais como o coração, o cérebro e o rim se não for tratada. Segundo o cardiologista, 60% dos casos de derrame são originários de uma hipertensão.

A doença, na maioria dos casos, é assintomática, mas pode dar sinais como falta de ar, dor de cabeça e tontura em momentos de grande estresse. Esse é um dos principais motivos que levam a uma crise, alerta o médico.

O estresse faz com que o organismo libere adrenalina, elevando a pressão arterial. Além disso, os pacientes sob medicação para o controle da hipertensão tendem a esquecer os remédios em momentos muito atribulados.

Outros fatores como uma alimentação rica em sal, obesidade, sedentarismo e o consumo de bebidas alcoólicas também podem desencadear o problema. Histórico familiar e idade avançada também aumentam as chances de apresentar a doença. De acordo com dados do Ministério da Saúde, 35% dos brasileiros têm hipertensão e 90% da população acima dos 55 anos correm o risco de desenvolvê-la.

Prevenção

Avaliações periódicas podem salvar a vida de muitos brasileiros. A Sociedade Brasileira de Cardiologia aconselha a medir a pressão periodicamente, além da realização de checkups. Segundo Malaquias, se a pressão mínina estiver igual ou superior a 12, é necessário fazer uma avaliação em um hospital para ver se algum órgão está em risco. O exame clínico em si já é bastante esclarecedor, afirma o médico.

Medidas simples como a adoção de uma dieta rica em vegetais e frutas, com baixo teor de sal e gordura, a manutenção do peso, a atividade física regular e a redução do estresse podem ser a diferença entre estar ou não no grupo de risco.

Lula

O presidente teve uma crise de hipertensão no avião a caminho de Davos, na Suíça. Ele foi internado no Real Hospital Português de Beneficência (RHP), em Recife, onde passou por exames clínicos e tomou medicamentos. De lá, foi para São Paulo, encontrou-se com o cardiologista Roberto Kalil Filho , que o acompanha há 15 anos, e seguiu para sua casa, em São Bernardo do Campo, região do ABC paulista. Lula deve realizar novos exames nesse fim-de-semana e cancelou sua agenda de compromissos para descansar .

    Leia tudo sobre: coraçãohipertensãolula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG