Heráclito Fortes quer abrir inquérito hoje para investigar novos atos secretos

O primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), quer iniciar o mais rápido possível um processo administrativo para apurar o vazamento à imprensa dos novos 468 atos secretos descobertos em uma investigação feita por técnicos da Casa. Outros 500 atos já estão sob a investigação das secretarias Geral e de Recursos Humanos.

Redação com agências |

  • Veja os atos secretos do Senado
  • PMDB recorre nesta quinta a arquivamento de representação contra Virgílio
  • Duque diz que registrará despachos 'para historiadores'
  • Eleitores mandam recado para o Senado. Envie a sua mensagem!
  • Todos esses novos atos foram editados entre 1995 e 2000, quando o presidente da Casa era o senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), que morreu há dois anos, e seguem o mesmo padrão do anterior, ou seja, contêm nomeações de aparentados de políticos, concessões de benefícios salariais e criação de cargos.

    O assunto será levado para a reunião da Mesa Diretora do Senado que ocorre ainda na manhã desta quinta-feira. O trabalho de investigação estava sendo feito pela Secretaria-Geral e a Secretaria de Recursos Humanos com a recomendação de que tome cuidado", disse. "Os atos são criminosos, mas os vazamentos também porque foram maldosos, completou.

    Para o parlamentar, os responsáveis pelo vazamento da informação deixaram suas digitais. Ele acrescentou que tratam-se de fundamentalistas da administração passada que deixaram seus cargos e acham que vão voltar. Perguntado pela Agência Brasil se essas pessoas a quem se referia incluíam o ex-diretor-geral Agaciel Maia, Heráclito Fortes respondeu: Eu não tenho dúvida. Ele e os que participavam da gestão anterior.

    Leia mais sobre: crise no Senado

      Leia tudo sobre: crise no senado

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG