Heráclito diz que número 2 da PF é inocente por suposto vazamento

BRASÍLIA - O presidente da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), disse não estar convencido sobre a culpa do antigo nº2 da Polícia Federal (PF), Romero Menezes, num suposto caso de vazamento de informações da operação Toque de Midas. O policial foi preso nesta terça e solto na madrugada de quarta.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

"Não estou convencido da culpa do Romero", disse. Questionado sobre os "porquês" de sua posição, Heráclito se limitou a dizer que "o futuro vai mostrar" e, sem citar nomes ou cargos, desabafou: "O vazamento foi entre eles próprios".

O vazamento teria sido um dos pontos do pedido de prisão de Menezes formulado pelo Ministério Público. Isso porque o irmão de Menezes, José Gomes, tem negócios no Amapá, Estado em que foi deflagrada a operação Toque de Midas que investigou, entre outros, o empresário Eike Batista.

Apesar da suspeita, Menezes teria sido preso, de acordo com a Polícia Federal, por advocacia administrativa (usar o cargo púbico para benefício próprio ou de terceiros). As suspeitas recaem novamente sobre as ligações com seu irmão, que gerencia uma empresa no Amapá, a MMX, que tentava ingressar no mercado de segurança ¿ área que precisa de autorizações da Polícia Federal.

Leia também:

Leia mais sobre: Romero Menezes

    Leia tudo sobre: polícia federalromero menezes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG