Hackers comandam onda de ataques pelo quarto dia consecutivo

Sites da Presidência e outros órgãos voltaram a apresentar problemas; página da UnB ganhou até anúncio de 'cerveja grátis'

iG Brasília e iG São Paulo |

No quarto dia de ataques intensificados em sites públicos, hackers invadiram novamente neste sábado vários sites governamentais. As invasões, que estão sendo investigadas pela Polícia Federal, passaram a ser acompanhadas também pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência.

Mais tarde, o grupo internacional de hackers que se intitula Lulz Security anunciou no Twitter que vai parar com os ataques que vem fazendo a sites de governos e empresas. Mas o braço brasileiro do grupo não fez nenhum pronunciamento nesse sentido. Além do Lulz, outros grupos vêm reivindicando ataques.

Neste sábado, circularam em Brasília até mesmo informações de invasão ao sistema da Abin. Técnicos da instituição, entretanto, negaram ter sido alvo de uma invasão. Um dos ataques de hoje atingiu o site da Universidade de Brasília (UnB), que ganhou logo após a meia-noite notícias absurdas, como o anúncio de que o Centro Acadêmico (CA) de Biologia ganharia cerveja por conta da universidade, como resultado de uma sindicância para realizar mais festas de fim de semana no campus.

iG Brasília
Página sai do ar após ataque de hackers
Outra notícia do site no início da madrugada apontava que o reitor teria sido "assaltado por pivetes", segundo o boletim Campus Online. As alterações foram feitas sobre notícias e fotos publicadas ontem no site da universidades. Informações sobre a invasão já foram enviadas ao departamento de crimes cibernéticos da PF. 

O Serviço de Processamento de Dados do Governo Federal (Serpro) afirmou, entretanto, que o dia de hoje é de relativa tranquilidade, sem interrupção de serviço dos principais sites do governo federal. Durante a tarde, o site da Presidência voltou a apresentar lentidão, mas o Serpro afirma que isso decorre de ações para reforço de segurança no portal, e não por novos ataques.

Hoje pela manhã, o site da Secretaria de Administração de Mato Grosso ficou fora do ar após sofrer um ataque hacker. A página deve permanecer inativa por tempo indeterminado, segundo a Secretaria de Comunicação Social (Secom) do Estado. A Assembleia Legislativa do Amazonas também teria registrado problemas em seu site. No Rio Grande do Sul, foi a vez da Brigada Militar do Estado tomar a iniciativa de tirar sua página do ar, para rever todo o banco de dados após uma invasão comandada por hackers. No ataque, feito durante a madrugada, os intrusos acessaram tabelas da área de gerenciamento e divulgaram parte delas, em linguagem codificada, pelo Twitter. A invasão fará com que a Brigada Militar antecipe o lançamento de sua nova página para os primeiros dias desta semana. A substituição já estava encaminhada e seria feita até o início de julho.

Mais tarde, até o senador paranaense Roberto Requião (PMDB) disse ter sido vítima de um ataque. Ele afirmou no Twitter que sua página na internet foi invadida por volta das 14 horas. "Desocupados invadiram meu sítio", queixou-se Requião. "Polícia Federal nesses canalhas!", completou.

Quatro dias de ataques

Os ataques de hoje marcam mais um dia de ação dos contra páginas oficiais. Diante da onda de invasões, que já resultou até mesmo no vazamento de supostos dados pessoais da presidenta Dilma, o governo acionou a Polícia Federal e a Abin.

Os ataques tiveram início na quarta-feira, quando um grupo de crackers quebrou a segurança de um site do Exército e roubou dados como CPFs e endereços de email. Desde então, vários sites oficiais foram invadidos. Entraram na lista as páginas da Presidência, do Governo Brasileiro , da Petrobras , do Senado, do IBGE, além de vários ministérios e órgãos oficiais. Algumas áreas do governo que tiveram suas páginas tiradas do ar negaram ataques e disseram que a falha reflete medidas preventivas diante das ameaças. Nesta sexta-feira, por exemplo, houve ataques ao site do Ministério dos Esportes e até ao Twitter do presidente da Câmara, deputado federal Marco Maia (PT-RS).

Como o iG mostrou, a estratégia do governo brasileiro diante de ameaças virtuais costuma ser a do contra-ataque. No Exército, por exemplo, a tarefa cabe ao general José Carlos dos Santos, apelidado de "General Firewall", que comanda um centro encarregado de detectar ataques de vírus e outras ameaças.

Nos últimos dias, além da escalada no número de ataques, o tom das ameaças também aumentou. Ao derrubar o site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na madrugada desta sexta-feira, um grupo de hackers disse que, neste mês, o governo vai viver o maior número de ataques virtuais da sua história. Eles descrevem a ação como uma forma de protesto de quem quer um Brasil melhor.

Ontem, integrantes do grupo cracker Fatal Error Crew se descreveram como pessoas "comuns". "Pegamos balada, bebemos", disse ao iG um membro do grupo. O mesmo grupo diz ter atacado 500 sites de prefeituras e câmaras municipais.

*Com informações da Reuters e Agência Estado

    Leia tudo sobre: hackercrackersites do governoinvasão eletrônicaunb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG