O Grupo TBA repudia as acusações infundadas das quais tem sido vítima - acusações que partem sempre dos mesmos personagens com o intuito de prejudicar a empresa.

Vale destacar que nenhuma empresa do Grupo TBA firmou contratos emergenciais com o Governo do Distrito Federal (GDF) durante o período do governo José Roberto Arruda. Todos os contratos entre as empresas do grupo e o GDF foram assinados a partir de licitação pública, na modalidade pregão. O único contrato emergencial firmado com o GDF foi em 14/08/2006, durante mandato de Maria de Lourdes Abadia, a partir de um certame do qual participaram quatro empresas.

O GDF nunca pagou por este contrato - apesar de receber e instalar as licenças de software - e, depois da posse de José Roberto Arruda, o contrato foi cancelado, sem nada ter custado aos cofres públicos. Não existe contrato emergencial das empresas do Grupo TBA com o governo Arruda.

O Grupo TBA não está entre as empresas investigadas e nem foi alvo de busca e apreensão neste episódio. Esses são fatos. Contudo, a empresa tem sido alvo de denúncias infundadas que, mesmo sem quaisquer provas, ganham repercussão na imprensa.

O Grupo TBA tomará as medidas cabíveis para ser ressarcido por eventuais danos de imagem que resultem de especulações não comprovadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.