Grupo de pichadores ataca prédio da Bienal de SP

SÃO PAULO ¿ No primeiro dia da 28ª Bienal de São Paulo, um grupo de cerca de 40 pichadores invadiu na noite de ontem o pavilhão no Parque do Ibirapuera e pichou parte de seu segundo andar - propositalmente vazio nesta edição. Eles picharam as paredes com as frases: Isso que é arte, Abaixa a ditadura, Fora Serra (sic).

Redação com Agência Estado |

Os invasores também assinaram nas paredes nomes dos grupos envolvidos, como Susto, 4 e Secretos. Dos cerca de 40 pichadores, apenas uma jovem de 23 anos foi detida. Ela foi levada para o 36º DP, na Rua Tutóia. Houve tumulto no prédio.

A ação já estava prevista pela curadoria e organização do evento, que disseram anteriormente terem tomado providências para que a pichação não ocorresse no prédio. Entramos pela porta. Normal. Conseguimos, disse a menina detida que não quis se identificar. É o protesto da arte secreta.

Segundo ela, vários grupos estavam envolvidos na invasão, uma continuidade das ações de protestos que ocorreram neste ano na Faculdade de Belas Artes e na Galeria Choque Cultural, lideradas por Rafael Guedes Augustaitiz, o PixoBomb.

Grupo escreveu palavras de ordem e provocou tumulto no dia de abertura do evento / AE

Os demais pichadores saíram no meio do tumulto se misturando aos outros visitantes da mostra e quebrando vidros do prédio. Até que a Polícia Militar chegasse, os visitantes tiveram de permanecer dentro do prédio e ninguém pôde entrar.

A Bienal lamentou e repudiou o ato de vandalismo e ainda não se sabe se o piso será pintado ou não. Apesar do incidente, o dia foi de intensa movimentação, com exposição aberta desde às 10 horas. À noite, foi realizado o show da banda Fischerspooner, com meia hora de atraso por conta do incidente.

Vídeo: Pichadores atacam prédio no primeiro dia da Bienal de SP

Leia mais sobre: Bienal de São Paulo

    Leia tudo sobre: bienal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG