Grupo abre fogo em bar, mata dois e deixa cinco feridos em São Paulo

SÃO PAULO - Um grupo encapuzado abriu fogo em um bar, matou duas pessoas e deixou cinco feridos no bairro de Cangaíba, na zona leste de São Paulo. A Polícia Civil diz acreditar em acerto de contas e vai investigar qual das vítimas era o alvo dos assassinos.

Agência Estado |

Os feridos foram encaminhados ao Pronto-Socorro (PS), onde permanecem internados. Imagens do circuito interno de segurança de imóveis da região serão solicitadas pela polícia para apoiar as investigações.

AE
Policiais militares inspecionam o local onde um grupo encapuzado abriu fogo

A Polícia Militar (PM) apurou com testemunhas que quatro criminosos encapuzados chegaram ao bar em duas motos. Eles atiraram contra as vítimas e fugiram em seguida. Murilo Matias da Silva, de 21 anos, morreu no local. André dos Santos Lobato, de 27 anos, chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.

No local do crime foram encontradas várias cápsulas de armas de fogo. O caso foi registrado no 24º Distrito Policial (Ponte Rasa) e será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo testemunhas, pelo menos três vítimas que foram baleadas enquanto jogavam bilhar tentaram correr, mas caíram na calçada. Além de Lobato, Clayton Pereira dos Santos, de 30 anos, Alessandro Timótheo Rodrigues da Silva, de 28 anos, Ivan Hiroshi Lobato, de 27 anos - que é primo de Lobato - Wilson Vieira dos Santos Júnior, de 20 anos, e Jânio dos Reis Rodrigues da Costa, de 46 anos, foram levados ao PS por viaturas da PM. Conforme a polícia, Costa e Santos Júnior estão fora de perigo.

A cabeleireira Maria Auxiliadora, de 45 anos, contou que conhecia Murilo há cerca de dois anos. "Ele veio do interior do Paraná". Segundo a vizinha, a vítima morava a poucos quarteirões do local do crime. Maria Auxiliadora definiu Murilo como um menino bom e educado. De acordo com ela, ele estava desempregado e tem um irmão menor.

"A mãe dele trabalha e sustenta a casa", afirmou. Ainda conforme a cabeleireira, Murilo não comentou ter sido ameaçado nos últimos dias. "Conversei com ele hoje (ontem) à tarde e ele não disse nada", afirmou.

Assista ao vídeo sobre o caso:

Leia mais sobre: violência 

    Leia tudo sobre: chacinapolíciaviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG