Greve e acidente complicam tráfego de trens em SP

Uma greve de ferroviários e um descarrilamento complicaram o tráfego de trens hoje na malha ferroviária do Estado de São Paulo. Oito vagões carregados com farelo de soja descarrilaram às 3 horas no quilômetro 88 do trecho ferroviário Mairinque-Santos administrado pela empresa América Latina Logística (ALL), no município de São Roque, região de Sorocaba.

Agência Estado |

O acidente coincidiu com a mobilização de líderes sindicais na tentativa de parar os ferroviários.

A composição com 78 vagões seguia de Alto Araguaia (MT) para o Porto de Santos. Não houve feridos ou danos ao meio ambiente, mas a circulação de trens ficou interrompida até as 15 horas. Cerca de 50 homens da ALL trabalharam para a liberação do trecho e reconstituição das linhas. Os vagões descarrilados sofreram avarias e serão retirados hoje do local. A ALL abriu sindicância para apurar as causas do acidente - o laudo estará pronto em 30 dias -, mas já adiantou que não teve relação com a greve. A empresa alega que o movimento paredista não conseguiu adesão.

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias Paulistas, no entanto, informou que a adesão foi próxima de 90%, afetando o transporte de combustível, a partir da Refinaria do Planalto Paulista (Replan), em Paulínia, para os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. O transporte de álcool de Araraquara para a refinaria de Paulínia também teria sido afetado, assim como o transporte de soja, açúcar, pellets (bagaço de laranja) de Araraquara para a Baixada Santista. A ALL informou, à tarde, que os trens circulavam normalmente.

Dos 1.400 empregados da companhia no Interior de São Paulo e Mato Grosso do Sul, apenas cerca de 60 aderiram à paralisação, segundo a empresa. "A mobilização na unidade de Paulínia foi feita pelos próprios sindicalistas e pessoas não pertencentes ao quadro de colaboradores da companhia, que se concentraram em frente à unidade e tentaram impedir a entrada dos colaboradores e a saída dos trens", informou, em nota. A empresa lembrou que, pela lei de greve, o transporte ferroviário de combustíveis e alimentos é essencial para o País, não podendo sofrer paralisação integral. Os ferroviários reivindicam reposição salarial de 6,48%, mais ganho real de 5,36%. A ALL informou que já fez acordos com a maioria dos trabalhadores e mantém diálogo com os ferroviários.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG