aqui)" / aqui)" /

Gravação da PF não esclarece motivos da saída de Protógenes

BRASÍLIA - A Polícia Federal (PF) divulgou gravações da reunião entre o delegado Protógenes Queiroz, que presidiu o inquérito da Operação Satiagraha, e seus superiores, na qual teria se decidido pelo afastamento do delegado do caso. Porém, os áudios, alguns editados e com trechos inaudíveis, não esclarecem se houve pressão da cúpula da PF ou se Protógenes deixou clara sua opção pessoal para desistir do caso. (Leia a transcrição e ouça os áudios http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/07/17/leia_e_ouca_os_trechos_das_gravacoes_divulgadas_pela_policia_federal_1451610.html target=_topaqui)

Rodrigo Ledo e Severino Motta, do Último Segundo |

AE
Protógenes pediu afastamento da PF

As gravações distribuídas pela direção da Polícia Federal em Brasília têm o objetivo de confirmar a decisão de Protógenes de iniciar um curso de formação em Brasília e, com isso, abandonar o comando do inquérito da Satiagraha ¿ até por declaração pública do presidente Lula, que disse não aceitar insinuações sobre pressões governamentais para retirar Protógenes do caso e abafar revelações das investigações.

Mas os trechos da reunião divulgados não ajudam a esclarecer as circunstâncias do afastamento do delegado. Protógenes chegou até a manifestar seu interesse em continuar, mas sem comandar o inquérito, e elogiou alguns de seus superiores pelo apoio na realização da Operação Satiagraha.

E até mesmo depois da Academia [onde fará o curso, em Brasília] eu não pretendo. Minha proposta é: eu fico até o final da operação, até o final. Eu criei um problema com meus colegas delegados, que é um grande problema, e acredito para você também, e a minha proposta é essa, permanecer vinculado ao seu gabinete [atual] até o final do trabalho, para não ficar aquela pecha de que Brasília vem fazer operações nos estados e deixa no meio do caminho. As minhas nunca ficaram no caminho e (...) essa não vai ficar. Mas eu não vou ficar presidindo, eu não pretendo presidir nenhuma investigação, ficaria aí no apoio de um trabalho (inaudível), coletando dados, analisando, disse Protógenes Queiroz na gravação.

Culpa

Os áudios revelam uma admissão de culpa feita por Protógenes Queiroz em relação aos vazamentos de dados do inquérito à imprensa. Esse foi, inclusive, um dos motivos da tensão entre o Supremo Tribunal Federal (STF) e o governo ¿ o presidente do Supremo criticou as suspeições criadas em relação aos investigados a partir de matérias jornalísticas.

Foi no momento de elogiar seus superiores que o delegado apontou os próprios erros.

Eu não preciso nem falar em relação ao Dr. Troncon [diretor do Departamento de Combate ao Crime Organizado da PF], que é um chefe ímpar. Eu devo praticamente 100% da execução dessa operação a dois homens de bem dessa Polícia Federal. Primeiramente eu destaco o Dr. Roberto Troncon, depois o Dr. Leandro, em terceiro, como coadjuvante dos dois, não poderia esquecer aqui o Dr. Luis Fernando Corrêa [diretor-geral da PF], que eu prezo e tenho carinho muito grande, ele era sabedor da operação e correu tudo bem. Na minha avaliação, tirando os erros que estamos avaliando aqui hoje, é uma avaliação de erro para nós corrigirmos e nos policiarmos, não é? Houve a presença da imprensa aqui em São Paulo? Houve. Falhou? Falhou. Quem falhou? Queiroz falhou, porque o Dr. Troncon me depositou [confiança] e eu firmei compromisso com ele, mas falhou o meu controle, reconheceu Protógenes.


Veja também:

Leia mais sobre: Operação Satiagraha

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG