Grandes nomes e poucos americanos encabeçam Festival de Cannes 2009

PARIS ¿ Muitos grandes nomes do cinema mundial, mas poucos americanos competirão pela Palma de Ouro do próximo Festival de Cannes, de 13 a 24 de maio, cuja seleção oficial, na qual predominam os cineastas europeus e asiáticos, foi anunciada nesta quinta-feira em uma entrevista coletiva à imprensa.

Redação com AFP |

Thierry Fremaux é o diretor do festival, que este ano privilegia europeus e asiáticos / AFP

O Brasil será representado pelo filme "À Deriva", do cineasta brasileiro Heitor Dhalia, selecionado na mostra paralela "Un Certain Regard" ("Um Certo Olhar", em tradução livre).

Quentin Tarantino, Ken Loach, Pedro Almodovar, Jane Campion, Lars von Trier e Alain Resnais estão entre os diretores que competirão pela Palma de Ouro da 62ª edição de um dos mais importantes eventos cinematográficos do mundo.

Além de Almodóvar, que competirá com "Los Abrazos Rotos", o cinema espanhol estará representado por "Mapa de los Sonidos de Tokio" de Isabel Coixet. Fora de competição, foi selecionada "Agora", de Alejandro Amenábar.

Os anfitriões também estarão bem representados com "Les Herbes Folles", de Resnais, e "Soudain le Vide" do franco-argentino Gaspar Noé, cuja obra "Irreversível" escandalizou a Riviera Francesa em 2002. Nenhum filme latino-americano figura na lista das vinte obras que estarão na disputa pelo prêmio.

Brad Pitt estrela "Inglorious Basterds", novo
Tarantino selecionado para Cannes / Divulgação

A participação norte-americana também é pequena. Assíduo participante do Festival de Cannes, Quentin Tarantino, ganhador da Palma de Ouro em 1994 por "Pulp Fiction", apresentará "Inglorious Basterds", longa sobre a Segunda Guerra Mundial protagonizado por Brad Pitt e Diane Kruger. Tarantino é o único cineasta norte-americano da mostra competitiva nesta edição.

A escassa representação do cinema do continente americano foi explicada pelo delegado geral do Festival, Thierry Frémaux, por diferentes causas. Em relação aos Estados Unidos, "talvez tenha sido a greve dos roteiristas, que atrasou projetos", disse.

Mas, acrescentou, "tanto o cinema norte-americano como o latino-americano estiveram muito presentes nas edições anteriores" e "a leitura da composição de cada edição deve ser ponderada pela anterior, e o será também pela próxima".

"Nós não elegemos os filmes por nacionalidades. A importância de uma cinematografia deve ser avaliada a médio prazo, não só por sua presença em uma edição", disse, ressaltando que, embora ausente da competição, o cinema latino-americano está representado por dois diretores na seção "Um Certo Olhar" (Heitor Dhalia e o colombiano Ciro Guerra).

Além de Tarantino, vários outros premiados em edições anteriores voltam a competir em Cannes: o britânico Ken Loach, com "Looking for Eric", o dinamarquês Lars von Trier, com "Antichrist", e a neozelandesa Jane Campion, a primeira mulher a receber a Palma (em 1992 com "O Piano"), que apresentará desta vez "Bright Star".

Também foram selecionadas as obras do austríaco Michael Haneke, "Das Weisse Band" e do italiano Marco Bellocchio, "Vincere". Os cineastas asiáticos são numerosos na seleção, entre eles o taiwanês Ang Lee, o chinês Lou Ye, o filipino Brillante Mendoza e o representante de Hong Kong Johnnie To.

O 62º Festival de Cannes começará no dia 13 de maio com as honras da abertura para "Up", de Peter Docter, o novo filme de animação dos estúdios Disney-Pixar. No total, 53 filmes de 23 países estão na seleção, 20 deles em competição pela Palma de Ouro, outros 20 na seção "Um Certo Olhar" e os demais fora de competição.

A Palma de Ouro será entregue no dia 24 de maio por um júri presidido pela atriz francesa Isabelle Huppert e integrado, pela atriz italiana Asia Argento, pela norte-americana Robin Wright-Penn e pelos cineastas turco Nuri Bilge Ceylan e norte-americano James Gray, entre outras personalidades do cinema.

Veja abaixo a lista dos filmes selecionados:

Seleção oficial

- "Los Abrazos Rotos" de Pedro Almodovar (Espanha)
- "Fish Tank", de Andrea Arnold (Inglaterra)
- "Un Prophete", de Jacques Audiard (França)
- "Vincere", de Marco Bellocchio (Itália)
- "Bright Star", de Jane Campion (Nova Zelândia)
- "Map of the Sounds of Tokyo", de Isabel Coixet (Espanha)
- "A l'Origine", de Xavier Giannoli (França)
- "Das Weisse Band", de Michael Haneke (Alemanha)
- "Taking Woodstock", de Ang Lee (Taiwan-EUA)
- "Looking for Eric", de Ken Loach (Inglaterra)
- "Spring Fever", de Lou Ye (China)
- "Kinatay", de Brillante Mendoza (Filipinas)
- "Soudain le Vide", de Gaspar Noe (França)
- "Bak-Jwi", de Park Chan-wook (Coreia do Sul)
- "Les Herbes Folles", de Alain Resnais (França)
- "The Time That Remains", de Elia Suleiman (Palestina)
- "Inglourious Basterds", de Quentin Tarantino (EUA)
- "Vengeance", de Johnnie To (Hong Kong)
- "Visages", de Tsai Ming-Liang (Malásia)
- "Antichrist", de Lars von Trier (Dinamarca)

Fora de competição

- "The Imaginarium of Doctor Parnassus", de Terry Gilliam (EUA)
- "Agora", de Alejandro Amenabar (Espanha)
- "L'Armee du Crime", de Robert Guediguian (França)

Um Certo Olhar

- "Mother", de Bong Joon Ho
- "Irene", de Alain Cavalier
- "Precious", de Lee Daniels
- "Demain des L'Aube", de Denis Dercourt
- "À Deriva", de Heitor Dhalia
- "Nobody Knows About the Persian Cats", de Bahman Ghobadi
- "Los Viajes del Viento", de Ciro Guerra
- "Le Père de mes Enfants", de Mia Hansen-Love
- "Tales from the Golden Age", de Hanno Höfer, Razvan Marculescu, Cristian Mungiu, Constantin Popescu e Iona Uricaru
- "Tale in the Darkness", de Nikolay Khomeriki
- "Air Doll", de Hirokazu Kore-Eda
- "Dogtooth", de Yorgos Lanthimos
- "Tzar", de Pavel Lounguine
- "Independencia", de Raya Martin
- "Politist, Adjectiv", Corneliu Porumboiu
- "Nymph", Pen-Ek Ratanaruang
- "Morrer como um Homem", João Pedro Rodrigues
- "Eyes Wide Open", Haim Tabakman
- "Samson and Delilah", Warwick Thornton
- "The Silent Army", Jean Van de Velde

Sessões da Meia-Noite

- "A Town Called Panic", de Stéphane Aubier e Vincent Patar
- "Drag Me to Hell", de Sam Raimi
- "Ne Te Retourne Pas", de Marina de Van

Sessões especiais

- "My Neighbor, My Killer", de Anne Aghion
- "Manila", de Adolfo Alix Jr. e Raia Martin
- "Min Ye", de Soulymane Cisse
- "L'Epine Dans le Coeur", de Michel Gondry
- "Petition", de Zhao Liang
- "Kalat Hayam", de Keren Yedaya

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Leia tudo sobre: festival de cannes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG