Governos rejeitam metas da ONU para erradicar a fome

Os governos rejeitaram hoje a proposta da Organização das Nações Unidas (ONU) para que comprometam US$ 44 bilhões a mais por ano para erradicar a fome no mundo. O dinheiro seria destinado para desenvolver a agricultura nos países mais pobres e subdesenvolvidos.

Agência Estado |

A ONU também esperava que os países adotassem o ano de 2025 como data final para erradicar a fome, mas a declaração final do encontro da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), aprovada por unanimidade, manteve o foco em um compromisso firmado há nove anos para reduzir à metade o número de famintos no planeta até 2015.

A FAO diz na declaração final que a melhor maneira para debelar a fome é ajudar os necessitados a se ajudarem. Essa abordagem "está no centro da estratégia de segurança alimentar", disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. "Nosso trabalho não é apenas alimentar os famintos, mas ajudar os famintos para que consigam alimentar a si próprios".

O diretor-geral da FAO, Jacques Diouf, lamentou que a declaração final da Cúpula da ONU sobre Segurança Alimentar tenha acabado sem alvos concretos. Mas Diouf disse, em declarações à agência de notícias "Ansa" da Itália, que não se sente decepcionado com o encontro. "Se não houvesse um acordo, seria um claro fracasso. Lamento apenas que não existam datas precisas para as metas. Mas devo aceitar os fatos, eu não negociei, quem negociou não foi capaz de negociar um prazo" para erradicar a fome no mundo, afirmou Diouf.

Nos últimos dias, Diouf afirmou que seriam necessários US$ 44 bilhões a mais por ano para erradicar a fome até 2015. A declaração final manteve a data de 2015 para reduzir pela metade o número de famintos, mas não incluiu os recursos extraordinários para a tarefa. O número de pessoas famintas, segundo estimativas da ONU, cresceu de 850 milhões para mais de 1 bilhão de pessoas entre 2008 e 2009, como efeito da crise econômica mundial.

Em 1996, quando foi adotada a meta de reduzir pela metade o número de famintos até 2015, cerca de 400 milhões de pessoas passavam fome no mundo. O G-8, grupo dos sete países mais industrializados e a Rússia, prometeu US$ 20 bilhões nos próximos três anos, no encontro de cúpula que aconteceu neste ano em L'Aquila, na Itália central.

O evento de hoje reuniu 60 chefes de estado e governo em Roma, mas a ausência quase total de líderes do G-8, que reúne as nações mais ricas do mundo e a Rússia, gerou críticas de alguns participantes. Apenas o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, compareceu ao evento. Com informações da Dow Jones.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG