Governo quer vacinar 18 milhões contra H1N1 até metade de 2010

SÃO PAULO (Reuters) - O governo pretende vacinar 18 milhões de pessoas contra a gripe H1N1 até metade do ano que vem e 1 milhão de vacinas fabricadas pelo laboratório francês Sanofi Pasteur serão compradas pelo Ministério da Saúde. Segundo o secretário de Ciência e Tecnologia e Insumos do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães, as primeiras doses chegarão ao país em dezembro. Os outros 17 milhões de doses serão compradas a granel e envasadas pelo Instituto Butantan, em São Paulo, de acordo com informações divulgadas pela Agência Brasil.

Reuters |

Nesta segunda-feira, o Ministério da Saúde realizou reunião com especialistas em Brasília para discutir novas medidas para conter a doença, que contou com a presença do ministro José Gomes Temporão.

Mais cedo, no Rio de Janeiro, Temporão havia classificado como "irresponsável" a distribuição indiscriminada do medicamento usado para combater a gripe H1N1.

"Fazer profilaxia com antiviral é uma medida de profunda irresponsabilidade e não tem nenhuma base técnico-científica", afirmou Temporão durante anúncio de recursos à Saúde no Rio de Janeiro. "O uso indiscriminado pode tornar o vírus mais resistente".

MAIS MORTES NO BRASIL

Nesta segunda-feira, Bahia, Pernambuco e Santa Catarina confirmaram as primeiras mortes pela nova gripe em cada Estado e o número de vítimas fatais no Rio de Janeiro subiu para 16.

Com os novos registros, são ao menos 92 mortes pela doença no país.

Em Salvador, foi registrada a morte de um homem de 50 anos. A Secretaria Estadual de Saúde informou em nota que o óbito ocorreu no dia 28 de julho e que o paciente era hipertenso e possuía histórico familiar de morte súbita.

Em Olinda, a primeira vítima no Estado foi de uma adolescente de 17 anos, internada em 20 de julho e morta na madrugada desta segunda-feira. Segundo a assessoria do Hospital Prontolinda, a paciente não viajou ao exterior e não pertencia ao chamado grupo de risco -- grávidas, obesos, idosos ou com doenças anteriores ou em tratamento.

Já são três mortes registradas no Nordeste brasileiro -- a primeira havia sido confirmada no Estado da Paraíba na semana passada.

No Rio de Janeiro, o número de mortos por conta da nova gripe subiu de nove para 16. Das sete novas vítimas, quatro eram da Baixada Fluminense, duas do Rio de Janeiro e uma de São Gonçalo na região metropolitana. Um terço das vítimas fatais no Estado é de gestantes.

Em Santa Catarina, foram registradas as três primeiras mortes no Estado -- uma mulher de 29 anos e um homem de 53 anos, ambos no município de Concórdia, e uma gestante de 22 anos, em Tubarão, informou a Secretaria Estadual de Saúde.

No Rio Grande do Sul, ocorreram quatro novas mortes pelo vírus -- uma mulher de 43 anos e um homem de 44 anos em Passo Fundo, um homem de 45 anos em Novo Hamburgo e um outro homem de 39 anos em Santa Maria.

Com esses números, o número de mortos no Estado chegou a 29, informou a Secretaria Estadual de Saúde.

Para priorizar o atendimento aos pacientes da gripe H1N1 no Estado, foram suspensas as cirurgias e internações eletivas pelo SUS, liberando mais vagas de UTI para o tratamento de vítimas da nova doença.

São Paulo tem o maior número de mortes (37). Rio de Janeiro teve 16 óbitos e o Paraná, quatro.

De acordo com o último relatório sobre a doença divulgado pelo Ministério da Saúde na sexta-feira, o vírus H1N1 é responsável por 60 por cento dos casos de gripe registrados no país. Até o dia 25 de julho, foram confirmados 1.958 casos da nova doença no Brasil.

(Por Hugo Bachega em São Paulo, com reportagem de Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG