Governo prepara decreto para aumentar efetivo militar na Amazônia

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Tarso Genro, declarou nesta quarta-feira que irá preparar, junto com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, um decreto para aumentar o número de postos militares na Amazônia. Segundo Genro, a medida tem objetivo de aumentar o potencial de defesa na região após os conflitos na reserva indígena Raposa Serra do Sol, mas isso não seria uma resposta às recentes críticas de militares sobre a vulnerabilidade da área.

Rodrigo Ledo ¿ Último Segundo/Santafé Idéias |

Eu e o ministro Jobim vamos trabalhar e apresentar ao presidente Lula um decreto para instalação de mais postos militares na Amazônia. Vamos constituir um programa de aumento desses postos, disse o ministro da Justiça, sem precisar o número de unidades ou de homens a serem alocados nos Estados amazônicos.

Apesar da piora nos conflitos nos últimos dias, Tarso Genro se diz otimista em relação à pacificação da área da reserva Raposa Serra do Sol, principalmente com a combinação entre a ação da Polícia Federal (PF) e Força Nacional e o iminente julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a legalidade da demarcação de terras indígenas em área onde há antigas ocupações de terras por rizicultores, comerciantes e famílias ligadas a outras atividades econômicas.

Não há um agravamento, há uma distensão a partir da ação da Polícia Federal que anulou o principal foco de tensão local. A PF e a Força Nacional vão continuar operando no sentido de desarmar a região, não só fazendeiros, mas qualquer pessoa, índios ou não-índios, ressaltou.

O ministro da Justiça disse que se o Supremo emitir decisão contrária à demarcação governamental da Raposa Serra do Sol, não vamos considerar uma derrota para o governo, porque o Supremo dita uma decisão que é uma decisão de Estado e toda a Nação tem que acolher. Mas também minimizou a hipótese de piora nos conflitos se o STF mantiver a reserva.

Na medida em que o Supremo decidir, tudo vai ser cumprido. O conflito não é com todos os arrozeiros, mas com um ou outro que contaminam os demais, exacerbando os ânimos, desconversou Tarso Genro.

Leia mais sobre: Amazônia

    Leia tudo sobre: amazoniaamazônia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG