Governo pagará conta de acordo com Itaipu, diz ministro

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou nesta segunda-feira que o recente acordo realizado entre o Brasil e o Paraguai sobre a hidrelétrica binacional de Itaipu vai resultar em ônus para o governo brasileiro. Não vai ter aumento de preço de tarifa. A determinação é que isso não vai ter impacto para o consumidor, disse o ministro a jornalistas.

Reuters |

Questionado então se o governo vai pagar a conta do acordo com o Paraguai, Bernardo foi positivo. "Eu concluo que a resposta é afirmativa", afirmou, sem fornecer mais detalhes.

No sábado, em Assunção, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente paraguaio, Fernando Lugo, anunciaram que chegaram a um acordo sobre a comercialização da energia da usina, reivindicação antiga do país vizinho.

O Brasil disse que vai triplicar a quantia paga ao Paraguai pela cessão da energia gerada por Itaipu, além de permitir ao Paraguai a venda gradual do insumo no mercado brasileiro sem a intermediação da companhia estatal Eletrobrás.

O bônus anual pela cessão de energia gira em torno dos 120 milhões de dólares e poderia pular para 360 milhões de dólares com o acordo.

O tema foi debatido nesta segunda-feira na reunião semanal de coordenação que reúne o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os principais ministros do Executivo.

Segundo relato de Paulo Bernardo, Lula afirmou no encontro que houve avanço no relacionamento com o Paraguai.

"Subimos um degrau na nossa relação com o Paraguai", disse Lula, segundo o ministro. O objetivo do governo brasileiro na América Latina, segundo disse Lula, é realizar projetos de desenvolvimento com os países vizinhos.

(Texto de Carmen Munari e Denise Luna)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG