BRASÍLIA (Reuters) - O governo decidiu manter o regime de urgência para os projetos do marco regulatório do pré-sal, apesar dos protestos da oposição e de ponderações de alguns líderes governistas. O presidente reafirmou que considera a urgência necessária para o país, disse a jornalistas o líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), após reunião de líderes da base com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"O presidente está mantendo o regime de urgência", acrescentou o senador.

Na terça-feira, os partidos de oposição anunciaram que irão obstruir todas as votações na Câmara em protesto contra o regime de urgência.

Com esse regime, Câmara e Senado têm 45 dias, cada, para votar as matérias. Se o prazo não é respeitado, as pautas das demais votações ficam trancadas.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.