Já está nas contas do governo uma redução do IPI sobre veículos até o final do ano e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva queria que a medida tivesse sido anunciada no início da semana, contou à Reuters uma alta fonte do governo nesta quarta-feira.

A idéia teria sido proposta pelo próprio presidente dias antes do anúncio da prorrogação do benefício até o final de junho, feito na última segunda-feira, mas Lula acabou convencido do contrário pelo ministro da Fazenda.

Guido Mantega argumentou que uma medida de tão longo prazo poderia ter efeito contrário ao de estimular as vendas de carros nos próximos meses.

"Mantega disse que as pessoas poderiam deixar para comprar carro apenas no final do ano", disse o interlocutor do governo.

A preocupação da equipe econômica de antecipar movimentos para o setor é de tal ordem que o simples anúncio da prorrogação para os próximos três meses fora mantido em segredo até o último momento.

A medida --instituída no início do ano como forma de evitar demissões no setor-- foi considerada positiva e poderá ser repetida dependendo da intensidade da crise até o final de junho.

A indústria automotiva representa cerca de 23 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) industrial brasileiro.

A redução no Imposto sobre Produtos Industrializados para carros novos foi proposta em dezembro do ano para estimular vendas e prevenir uma leva de demissões no setor.

Manter o nível de emprego em meio à crise global transformou-se em meta principal de Lula.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.