Antes mesmo de o ministro indicado para o Meio Ambiente, Carlos Minc, propor no domingo o http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/05/18/amazonia_nao_esta_indefesa_e_nao_vai_virar_carvao_afirma_minc_1316787.htmluso das Forças Armadas na proteção de parques e reservas da Amazônia, a criação de uma Força Nacional de Segurança Ambiental já estava em discussão dentro do governo.

Nos moldes da Força Nacional de Segurança, os integrantes da nova força seriam treinados especificamente para atuar nas ações de combate ao desmatamento.

AE
A idéia ganhou força com o teste que vem sendo feito na Operação Arco de Fogo, lançada este ano pelo governo federal para patrulhar a Amazônia e deter o desmatamento. A operação em andamento tem apoio de vários setores e conta também com 300 homens da Força Nacional de Segurança, formada por policiais militares.

Já o uso de militares das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) diretamente nas operações de fiscalização e enfrentamento do desmatamento exigiria mudanças na legislação, segundo o ex-consultor jurídico do Ministério do Meio Ambiente Gustavo Trindade.

Para o secretário-geral do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Pedro Leitão, a proposta de Minc é bem-vinda. As Forças Armadas poderiam ser extremamente úteis no apoio à fiscalização de áreas protegidas. Mas é preciso evitar que elas sejam envolvidas no trabalho de rotina da administração, disse Leitão. Ele avalia, no entanto, que será preciso garantir mais recursos e equipamentos para os militares atuarem nessa função. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Encontro com Lula

Carlos Minc disse que levará nesta segunda-feira ao presidente Lula propostas e não exigências para aceitar o convite e assumir a pasta do Meio Ambiente. Mas o secretário admitiu que as conversas que manteve até agora com o presidente Lula o levam a crer que ele vá realmente assumir o ministério. Ressaltou, porém, que as condições necessárias para que possa vir a desempenhar um bom trabalho são ainda maiores dos que a que já foram até então divulgadas pela imprensa.

Leia mais sobre: Minc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.