Governo fixa limite de 7% para reajuste de aposentados

BRASÍLIA (Reuters) - O governo não se comprometerá com um aumento das aposentadorias acima do salário mínimo maior do que 7 por cento, afirmou nesta terça-feira o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. A proposta original do governo era de elevação de 6,14 por cento para esses benefícios. O Executivo já aceitou a demanda apresentada por deputados da base aliada para subir para 7 por cento. O tema está em debate no Congresso.

Reuters |

No entanto, na semana passada, parlamentares governistas disseram a representantes de sindicatos e aposentados que essas aposentadorias teriam alta de 7,7 por cento.

"Não existe nenhum acordo do governo e não existe nenhuma possibilidade de dar prosseguimento a um acordo acima de 7 por cento", afirmou Padilha após reunir-se com líderes nos partidos aliados na Câmara.

"Além disso, o governo não suporta. O governo não vai levar a uma irresponsabilidade fiscal."

Perguntado se o governo vetaria um aumento superior a 7 por cento, o ministro sugeriu que isso pode acontecer.

"Enquanto esticarem a corda, achando que podem ter mais, quem tudo quer nada tem", disse, acrescentando que o governo já vetou uma proposta de aumento das aposentadorias em 2006 por achar que o reajuste definido pelo Congresso não era o adequado.

PRESSÃO

O Executivo, no entanto, não deve ter vida fácil. Os deputados dizem que só votarão os 7 por cento se os senadores se comprometerem a não elevar depois o índice. No Senado, os líderes governistas pediram nesta terça a Padilha que o governo concorde com um reajuste maior.

"Estamos articulando e tentando sensibilizar a área econômica para verificar se há a possibilidade de chegar a 7,7 por cento", disse Jucá a jornalistas depois de se reunir com o ministro e outros líderes de partidos aliados.

"Ele (Padilha) não saiu convencido. Disse que a questão não é de convencimento, mas de números."

O reajuste de 6,14 por cento custaria 6,7 bilhões de reais à União. Um aumento de 7 por cento teria um impacto adicional de 1,1 bilhão de reais, enquanto um aumento de 7,7 por cento geraria mais 600 milhões de reais em despesas para o governo.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG