O aumento gradual da pirataria de remédios no País levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Justiça a estudar um projeto para que medicamentos possam ser rastreados. O presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP), Luiz Paulo Barreto, disse que os dois órgãos estudam um método de colocar nos medicamentos um código de barras ou uma série numérica a fim de permitir que o consumidor confira na farmácia ou em casa a procedência do produto.

Adilson Bezerra, assessor chefe de segurança institucional da Anvisa, alertou em debate na terça-feira, em Brasília, para o consumidor ficar atento em diferenças de preços muito grandes em medicamentos e procurar o farmacêutico para esclarecer dúvidas. As informações são da Agência Brasil.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.