Governo estuda compensar PSB por apoio a Marta em SP

O Planalto estuda duas alternativas para pagar a fatura política do apoio do PSB paulista à candidatura de Marta Suplicy (PT) à Prefeitura de São Paulo. A primeira idéia é a fusão das secretarias da Pesca e dos Portos, transformando-as em um único ministério nas mãos do PSB.

Agência Estado |

Outra opção é manter o PSB com a Secretaria dos Portos, hoje comandada por Pedro Brito, e dar ao partido do deputado Ciro Gomes (CE) e do governador Eduardo Campos (PE) - ambos presidenciáveis - também a Secretaria da Pesca.

Segundo relato de aliados do Planalto ao Estado, essa também seria uma maneira de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fortalecer o PSB para a disputa presidencial, daqui a dois anos, já que o PT não tem um candidato natural ao posto. Em caso de solução caseira, Lula trabalha com algumas possibilidades, sendo que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, é tida como a mais forte delas no momento. Mas, se optar pelo PSB, Campos é o preferido de Lula, enquanto Ciro - apontado como o nome mais forte pela legenda aliada - tem sérios problemas de trânsito político entre os petistas.

Qualquer que seja a decisão em relação ao rearranjo ministerial, a saída do atual titular da Pesca, Altemir Gregolin, é dada como certa. O secretário, com status de ministro, foi um dos nomes do governo envolvidos nos gastos irregulares com cartões corporativos, revelados pelo Estado.

À época, o ministro teve de justificar gastos pequenos, mas que revelavam como o cartão era usado como instrumento pessoal de pagamento - a exemplo do gasto de R$ 512,60 em uma churrascaria de Brasília, onde afirmou ter levado uma comitiva do governo chinês. Também disse ter despesas em missões de trabalho de R$ 222,85, em um restaurante do Rio, em plena Quarta-Feira de Cinzas, no ano passado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG