Governo está preocupado com reforma agrária, mas falta verba, diz ministro

BRASÍLIA ¿ O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, sinalizou nesta quarta-feira que o governo não tem possibilidade de atender neste ano toda a pauta de reivindicação do Movimento dos trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Segundo Cassel, o Governo está preocupado com a questão da reforma agrária, mas tem limites orçamentários.

Carollina Andrade, repórter em Brasília |

Agência Brasil
Sem-terra no Ministério da Fazenda

Sem-terra no Ministério da Fazenda

(...) De forma geral estamos todos preocupados que a reforma agrária avance, mas temos limites orçamentários para dar ritmo a essas coisas. O mundo está passando por uma crise financeira de alta gravidade, o governo contingenciou os recursos do orçamento entre 27% e 30% e isso também atingiu os programas de reforma agrária e é com isso que estamos lidando, com a possibilidade de descontingenciar parte desses recursos e com isso assentar mais famílias ainda esse ano, destacou o ministro após reunião com representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e da Via Campesina.

Cassel destacou também que o Governo não tem condições de assentar 90 mil famílias neste ano. Dificilmente poderíamos assentar 90 mil famílias esse ano, nós praticamente já usamos todo o recurso de obtenção de terras que tínhamos disponível. Temos um orçamento de obtenção de terras esse ano de 958 milhões, estamos com 300 milhões contingenciados, e os 600 milhões já utilizamos esse ano. Se descontingenciarmos o total desses recursos, o que é muito difícil, a gente não consegue assentar até o final do ano 90 mil famílias. Até por que, estamos quase em setembro, é no mínimo de 6 meses o processo de colocar uma família na terra, completou.

Outra questão abordada durante a reunião foi a revisão dos índices de produtividade rural (os últimos são da década de 1970). Segundo o ministro, há dois anos o Governo discute o reajuste. "È um tema central que uma vez solucionado vai agilizar muito o trabalho da reforma agrária. Estamos trabalhando no Brasil com os padrões de 1975. Não foram reajustados esses índices de lá pra cá. Há dois anos temos no governo um trabalho técnico pronto para reajustar esses índices de produtividade. É uma decisão do governo escolher a ocasião em que vamos reajustar os índices de produtividade, por mim reajusto hoje, completou.

Apesar de o Governo ter dialogado com os representantes do MST, a integrante da coordenação nacional do movimento, Marina dos Santos, afirmou que eles estão decepcionados. Na verdade, o governo só recebeu a nossa pauta e todos os pontos que têm na pauta já foram previamente conversado, discutido, negociado, acordado e todos com compromissos assumidos pelo governo e hoje eles receberam como se fosse uma pauta nova. O tom da reunião foi uma reunião política de encaminhamentos, disse a integrante.

De acordo com ela, o movimento continuará em Brasília aguardando uma posição do Governo. Nós vamos ficar ainda em Brasília aguardando em vigília até o início da semana que vem o retorno que o Governo vai nos dar, que nós acreditávamos que seria hoje, completou.

O que nós continuamos acreditando é que de fato o Governo nos dê uma solução real e que seja garantido a execução de todos esses compromissos acordados anteriormente, acrescentou.

Leia mais:


Leia mais sobre:
reforma agrária  - MST

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG